Jovem Pan Online - RSS

segunda-feira, 13 de julho de 2015

SEGUNDONA BRAVA - JSOL anuncia demissão de Sérgio Caetano, no Vocem

Cláudio Messias*

A versão online do impresso Jornal da Segunda, de Assis, acaba de anunciar, às 13h21, a demissão do técnico Sérgio Caetano do comando do Vocem. O treinador não conseguiu repetir o histórico de passagem pela cidade registrado em 2004, quando quase levou Assis à Série A-3 comandando o Atlético Assisense (foi igualmente demitido, só que na reta final).

Confira a íntegra da reportagem de Reinaldo Nunes, o Português, no JSOL: http://www.jornaldasegunda.com.br/index.php/inicio/3465-apos-novo-tropeco-no-tonicao-e-fora-do-g-4-vocem-troca-sergio-caetano-por-tupazinho.html

Sérgio Caetano teve o trabalho contestado por torcedores e cronistas esportivos de Assis. Não opino sobre seu trabalho em 2015, uma vez que testemunhei, apenas, um dos jogos do seu Vocem, na Segundona. O que sei, e defendo, é sobre a competência de Sérgio, profissional que esteve, nos últimos anos, por trás de projetos como o que levou o Clube Atlético Penapolense à Série A-1, além do Mirassol.

Iniciei o ano de 2015 com proximidade ao Vocem, mas episódios lamentáveis envolvendo indivíduos isolados fizeram-me afastar. Acreditava sobremaneira no projeto Vocem Forte 2015. E esse meu acreditar era centrado mais na figura de Sérgio Caetano do que qualquer outra parte relacionada ao clube de Assis. Elogiei, presencialmente, a opção de comando técnico feita por Edson Fiúza, o troglodita, e Fábio Manfio. Três pessoas seríssimas, compromissadas com o que fazem. Uma delas teve de sair. E eu lamento, não mais como torcedor, mas, como apreciador do bom futebol.

Compreendo que havia pressão externa para a saída de Sérgio Caetano. Reservado, ele não faz moral com ninguém, não puxa saco; exerce seu trabalho. E em Assis pessoas com esse perfil não vão muito longe. Quem paga cotas de patrocínio não cobre todas as despesas que deveria, mas vê-se no direito de interferir no projeto que é a coluna dorsal daquilo que foi previsto para 2015. Pudesse, creio, o Vocem fazer uma limpeza de elenco - o que o Regulamento de 2015 cerceia - e não tenho dúvidas de que Fábio Manfio e Fiúza manteriam Sérgio e liberariam o passaporte de quem, dentro de campo, não está rendendo.

Domingo, no intervalo do jogo contra o Tanabi, quando o Vocem ainda vencia por 1x0, ouvi uma entrevista de Edson Fiúza a uma emissora de rádio da cidade. E ele anunciava aos torcedores que independente dos resultados, Sérgio Caetano seria mantido no cargo até o fim. Além da permanência do treinador, a vinda de três reforços, com anúncio antecipado de um dos nomes. Tudo, claro, visando à Segunda Fase. Mas, essa posição do dirigente não durou mais do que 45 minutos. O Tanabi empataria o jogo e o Vocem sairia do G-4. E vinte e quatro horas depois Tupãzinho era anunciado substituto de Sérgio.

Cada um tem sua opinião. Eu tenho a minha, e não mudo. Não será a temporada de 2015 que apagará a passagem de Sérgio Caetano de minha hoje embaralhada memória. Infelizmente, dadas as circunstâncias e algumas pessoas que cercam indiretamente o Vocem, optei por não ir pessoalmente reencontrar Sergião desde que ele iniciou os trabalhos, em fevereiro. Assim como não fui ao Tonicão ontem. Preferi o distanciamento, e bastaram algumas rodadas da Segundona 2015 para eu saber que estava correto na minha decisão. Sérgio, pois, vai embora sem o meu abraço. Um abraço de reconhecimento, meu, sobre sua passagem por Assis. O ano de 2015, pois, não apaga o Sérgio Caetano treinador de 2004.

Não tenho a mínima noção do que se passa nos bastidores do Vocem. De repente, há uma circunstância que desconheço e a saída de Sérgio Caetano realmente tenha sido inevitável do ponto de vista da gestão. E é assim, isoladamente, que defino que jamais demitiria treinador nesse momento. E nem precisa ser Sérgio Caetano. O próprio Tupãzinho foi demitido, semanas atrás, do Grêmio Prudente nas mesmas circunstâncias. Só que lá o Grêmio andou e, hoje, mantém a liderança isolada do mesmo Grupo 1. Prato cheio para os críticos de Tupãzinho. O mesmo Grêmio Prudente que demitiu China em 2014, avançou, mas tropeçou adiante. O mesmo Vocem que demitiu treinador em 2014 e também ficou no caminho.

Aqui, em Assis, não titubeio em dizer que o Vocem tem todas as condições de avançar para a Segunda Fase, como garantiu, ontem, Edson Fiúza, nas cabines de imprensa do Tonicão. O time vai a Birigui pegar o eliminado Bandeirante e vê o adversário direto pela quarta vaga no Grupo 1, Fernandópolis, vindo a Assis duelar com o Atlético Assisense, no Tonicão. Tupãzinho, portanto, será testado logo de cara, pois como bem definiu Reinaldo Nunes, o Português, em seu texto no JSOL, hoje, as chances de o Vocem vencer em Birigui e haver tropeços no jogo Atlético Assisense x Fernandópolis são grandes. Em suma, se daqui exatamente uma semana o Vocem não estiver de novo no G-4, é porque o projeto todo pode, realmente, estar ameaçado. E a culpa, definitivamente, não será de treinador.

Cálculos - Faltam cinco rodadas para o término da Primeira Fase da Segundona 2015. Nos cálculos do blogueiro, avança quem somar mais 10 pontos, que seriam resultantes de três vitórias e ao menos um empate (somente o Grêmio Prudente depende de mais 7 pontos). Como está empatado com o Fernandópolis, primeiro clube da parte inferior do G-4, o Vocem precisa, agora, mirar nos confrontos desse adversário nessa reta final, já que Atlético Assisense e Noroeste estão três pontos à frente e detêm saldo de gols e duas vitórias a mais, fatores que pesam nos critérios de desempate. Isso significa dizer que somente daqui a três rodadas o Vocem, dependendo de suas próprias vitórias e tropeços dos três adversários, terá condições de planejar trânsito que vai da quarta colocação à vice-liderança. Hoje, sua maior batalha é exatamente sair da quinta colocação. Parece simples, mas é muito mais complexo do que se pode imaginar.

O Fernandópolis não deve ser páreo fácil, não só a Vocem, mas a Noroeste e Atlético Assisense também. O Fefecê tem igual projeto financeiro sólido, como acontece com o Vocem. Mas, por lá, prevalece um trabalho que aparentemente engrenou. O clube também demitiu treinador na temporada, mas ainda no primeiro turno. Hoje, dentro de uma convicção de que está firme rumo à Segunda Fase, contratou e tem feito marketing com o atacante Abuda, ex-Corinthians, que seria inscrito na reabertura da janela de contratações, em agosto. Lá, jogadores recebem bicho normal por vitórias em Fernandópolis e bicho dobrado em vitórias fora de casa. Salários estão em dia e há um presidente que confidencia colocar, do bolso, mais de R$ 10 mil por mês, retirando do próprio patrimônio familiar.

Depois de vir a Assis, domingo que vem, o Fernandópolis terá pela frente o Tanabi, igualmente fora de casa, enquanto o Vocem tem páreo duro, no Tonicão, com o América, que por sua vez virá de jogo em Osvaldo Cruz e deverá estar somando 20 pontos, na cola do G-4. Ou seja, por mais que a décima quarta rodada favoreça ao Vocem, no final de semana que vem, depois virá pedreira pela frente, no cruzamento de resultados. 

Dando sequência, na décima sexta rodada será a vez de o Fernandópolis receber o eliminado Osvaldo Cruz, enquanto o Vocem tem a difícil missão de ir ao estádio Prudentão enfrentar o Grêmio Prudente. Feito isso, a penúltima rodada do returno tem Fernandópolis x América e o derby Atlético Assisense x Vocem. Muita expectativa para essa décima sétima rodada, pois o destino do Vocem na Segundona poderá ser traçado nesse derby, pois, preliminarmente, o Fernandópolis tem sequência de confrontos menos agressiva.

E, por fim, fechando a Primeira Fase, com todos os jogos no mesmo horário das 10 horas do domingo, dia 16 de agosto, Vocem x Fernandópolis fazem o confronto direto, no estádio Tonicão. Difícil dizer, nesse momento, se o cenário atual, de briga pelo G-4, será mantido. É grande, porém, a probabilidade de o Fernandópolis, pela tabela de jogos restantes, estar muito vivo nessa disputa. Abuda e Sérgio Caetano assistem a esse embate de camarotes. Quem decidiu por eles é que tem de viabilizar seus projetos.



* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

Um comentário :

Donizeti disse...

já era esperado. O cara não consegue se recuperar quando seu time vai mau......Ele quer ser estrela , quer ser mais que os jogadores. Procurem saber sobre Ele . Com certeza o ambiente com os jogadores não era dos melhores.