Jovem Pan Online - RSS

segunda-feira, 20 de julho de 2015

PERSONAGENS - Atlético Assisense 1x1 Fernandópolis - 19.JUL.2015


Logo na chegada ao Tonicão, o blogueiro flagra essa cena: mamãe coruja com três filhotes, tomando sol. Estádio, logo de cara, com harmonia na manhã de domingo.


Nem todos que vão ao estádio fazem questão de sentar nas cadeiras plásticas de setor reservado.

A repositora de bolas, com esse sorriso, completava o harmonioso domingo ensolarado no Tonicão

A Torcida Jovem é pequena, e isso os seus próprios membros reconhecem. Mas, que esse pequeno grupo faz a diferença nos jogos do Falcão do Vale, ah, isso faz!

O blogueiro, que ficou dois meses fora de Assis, foi pego de surpresa quando viu o Fernandópolis entrar. Achou que o Atlético Assisense havia mudado o padrão do uniforme...

... mas, o equívoco foi logo reparado, quando o blogueiro deu conta de que o Falcão do Vale, na realidade, tem usado os vestiários dos visitantes, desde a vitória no derby (2x0) sobre o Vocem, no primeiro turno

Essa rapaziada tem conquistado fãs, apreciadores de futebol, por onde passa. Grupo humilde, que reconhece as dificuldades diárias mas, acima de tudo, estabelece o acesso à Série A-3 como objetivo maior, coletivo.

Com número cada vez maior de patrocinadores e apoiadores, o Atlético Assisense tem, à base de parcerias, distribuído brindes a quem comparece ao Tonicão

A estruturação profissional do Atlético Assisense faz prevalecer a boa imagem do clube e, indiretamente, da cidade. Comissão técnica uniformizada, fazendo prevalecer as características históricas do Falcão do Vale.

A Prefeitura de Assis inovou ao providenciar instalações instrumentais para hasteamento das bandeiras Nacional, do Estado de São Paulo e do município de Assis.

À exceção do árbitro assistente 1, a arbitragem desse domingo foi desastrosa. Nada anormal para o padrão de arbitragem da Federação Paulista de Futebol

Após a execução do Hino Nacional e do Hino de Assis, a tradicional demonstração de união e força desses garotos. Nada menos que o segundo melhor elenco do Grupo 1

União dentro de campo, união no banco de reservas. É essa a força positiva que faz a diferença . Quem quer chegar à Série A-3 precisa, primeiro, vivenciar o verdadeiro sentido do verbo 'agregar'.

Detalhe do uniforme do Atlético Assisense, na opinião do blogueiro o mais belo - e leve -, ao menos desse Grupo 1 da Segundona

Os jogos do Atlético Assisense são caracterizados pela presença maciça de crianças. E onde há crianças prevalece o agradável ambiente familiar. De parabéns os pais que levam os filhos ao estádio!

Todas as gerações encontram-se nas arquibancadas para contemplar o espetáculo do futebol.

O público mirim completa, indubitavelmente, o espetáculo do futebol

Conheci o pai desse garotinho quando ele - o pai - tinha exatamente a idade do filho, lá pelos idos dos finais dos anos 1980. Interessante, nesse domingo, avistar avô, netinho e pai no estádio, todos juntos.

Disputar a Segundona é, realmente, bruto! 

Manoel Martinez, da rádio Cultura AM, foi o meu primeiro instrutor de técnica central na emissora, lá pelos idos de 1985. Sabedor do meu respeito principalmente pela sua cultura, erudita, Mané, como é carinhosamente chamado na emissora da família Camargo, é desses funcionários que toda empresa quer ter: sério, compromissado e, principalmente, ético.

Beleza feminina em destaque, acompanhada do namorado, é bom que se ressalte. 

Garotinha em momento concentração total para degustar o pacote de pipocas!

OLHO NO LANCE - Em princípio, essa bola parece ter ido pra fora, com perigo apenas razoável...

... mas, aproximando a imagem, a defesa do goleiro do Fernandópolis impediu, claramente, o que seria o segundo gol do Atlético Assisense, ainda no primeiro tempo.

Minutos depois, de tanto pressionar, o Falcão do Vale abriu o placar com ele, Aguiar, artilheiro isolado da Segundona 2015

A médica Anna Santa entrou, calmamente, na primeira etapa, para atendimento ao atacante Aguiar, que levou pancada na cabeça em lance na grande área do Fernandópolis...

... quando chegou ao jogador, a médica já o encontrou em pé e atendido pelo massagista do clube. Nas arquibancadas, a torcida ironizava que, aparentemente, a médica somente 'benzeu' Aguiar, já recuperado. Maldade da língua preta, e isso faz parte do espetáculo do futebol.

O único setor de 'cobertas' do Tonicão recebe público cativo: bendita seja a sombra do muro, que protege a moleira! Enquanto isso, o prefeito dos 15 mil votos continua só especulando em cobrir o Tonicão

Torcedor que vai ao estádio muitas vezes assiste aos jogos em pé durante os 90 minutos...

... e, no caso do Tonicão, durante esses 90 minutos com sol direto no rosto.

E o celular tem hora que torna-se espelho. Checando, claro, a beleza.

Torcedor mais experiente tem trajeto completo para ir ao Tonicão: chapéu e óculos escuro.

Presença feminina, com estilo, nas arquibancadas

CORNETEIRO I - No início ninguém entendeu nada. Suspeitou-se que tratava-se de torcida vinda de Fernandópolis. Depois, tudo ficou esclarecido: As Maritacas, organizada, veio de Cândido Mota. O colega ao lado parecia não suportar...

No intervalo do jogo a comissão técnica do Atlético Assisense virou Comissão do "Deixa Disso".

Presença efetiva, em 2015, de profissionais da comunicação nas cabines de imprensa do Tonicão. 

Remete a dupla interpretação essa imagem da arbitragem indo para os vestiários, no intervalo, tendo policiais na escolta

O figuraça dessa imagem não se incomodou com as provocações da torcida do Atlético Assisense. Sim, pratica-se bullyng também em estádio de futebol.

Simpática senhora reforçou o batalhão feminino que foi ao Tonicão nesse domingo

CORNETEIRO II - A organizada As Maritacas aparentemente ficou inibida com a presença da Torcida Jovem. Mas, volta e meia, lá ia a corneta marcar a batida 

Claudinho Pires, o Xororó, gráfico do jornal Voz da Terra, é figura conhecida nas arquibancadas do Tonicão. Nesse domingo, fez bem ao ir vestido de Santos, seu primeiro time. Ou seria terceiro? 

Garotinho usa habilidade para escapar do sol e apreciar o que ocorria na parte de trás das arquibancadas

Márcio é outro ex-funcionário da rádio Cultura AM que marca presença no Tonicão. Foi nosso motorista no Jornalismo e em 2004 nos acompanhou em algumas das viagens de cobertura do mesmo Atlético Assisense, no ano do 'quase acesso' à Série A-3. Sabe muito de futebol! Foi dele que o blogueiro ganhou o apelido de "polêmico", quando da colaboração como comentarista da Cultura AM. Bons tempos.

Da série "É o cinegrafista que está filmando o blogueiro ou é o blogueiro que está fotografando o cinegrafista?"

Quando deu 11 horas da manhã o domingo de inverno ganhou clima de verão. Consumo, em primeiro plano, de sorvete e, ao fundo, de, digamos, refrigerante.

Nem precisa dizer o pedido que a torcida fez a esse trio, em alusão à atuação da arbitragem nesse domingo, né?!

O árbitro Cássio Zancopé tem uma mania estranha. Quando autoriza uma determinada cobrança de lance de bola parada...

... ele mantém o braço erguido, mesmo após a cobrança ter sido executada. Diríamos que ele mantém um braço levantado e nós, torcedores que fomos ao estádio, saímos de lá com os dois braços levantados.

Esse é o torcedor-símbolo do Atlético Assisense. Cena rara, essa, de ele concentrado, roendo unhas e... calado. Voltaremos a falar dele adiante.

No segundo tempo o jogador do Fernandópolis exagerou na carícia ao quarto árbitro. Começou passando a mão na nuca, depois desceu para as costas e... ufa!, o árbitro Cássio Zancopé o autorizou a entrar, antes que amão descesse mais. Mais de 300 pessoas viram!

A indignação com a atuação da arbitragem era tamanha, no segundo tempo, que o batuque da Torcida Jovem parou e deu lugar à gritaria com 'elogios' a Cássio Zancopé

Lembra-se do torcedor-símbolo pensativo? Sim, ele também foi ao alambrado, rasgando 'elogios' à arbitragem a uma distância, digamos, reduzida

A outra repositora de bolas levou igual beleza e elegância ao Tonicão

TUDO AZUL - Predomínio da cor azul na ensolarada manhã de domingo. Céu azul, estádio azul, cidade cada vez mais azul...

O perfil de Aguiar, atacante do Atlético Assisense, mostra um jogador com explosão muscular semelhante a Kaká, meia que fez sucesso na Seleção Brasileira. Artilheiro, esse menino nascido em Bauru tende a ter propostas sólidas para 2016. Enquanto isso, solidez no Falcão do Vale.

OLHO NO LANCE - A torcida reclamou de penalidade nesse lance, também ignorado por Cássio Zancopé. Jogador do Atlético Assisense é empurrado pelo adversário dentro da pequena área, impedido de chegar à bola interceptada pelo goleiro...

... o que faz o torcedor do Falcão do Vale, a partir de agora, acreditar que, por bom senso, a Federação Paulista de Futebol não mais permita o retorno desse cidadão à cidade, para jogos do time.

E no estado com a Federação de Futebol mais rica da Nação a placa de comunicação visual continua atrasada um século. Madeira semelhante à composição da cara de muitos cartolas que fazem a gestão do futebol paulista.

Aqui, momento Valderrama: olhar filosófico 

Aqui, momento Davi Luiz: juras de acerto de contas com jogador do Atlético Assisense que o empurrara quando da cobrança de arremesso lateral.

Aqui, momento Banco de Reservas: voltou, sentou e não entrou no jogo. Não sem antes lançar olhar 43 ao torcedor-símbolo que o chamou de Maria Bethânia.

Chega uma hora que a 'cobertura'  vai embora e estreita o setor que protege do sol

De tantos carretos, o maqueiro apelou para a proteção artificial dos raios solares

Bela imagem de Mateus Aguiar, um menino literalmente Guerreiro (tem esse adjetivo no sobrenome), que corre o campo inteiro há 14 jogos ininterruptos, pelo Falcão do Vale.

Essas mulheres e seus detalhes peculiares! 

Proteger do sol ou encontrar uma brecha para observar as gandulas mais de perto?

O bom goleiro do Fernandópolis, que garantiu o empate em Assis. Visitante sem culpa alguma pela péssima arbitragem que interferiu diretamente no resultado.

O lance de cobrança de falta caracterizava o tipo de jogada que costuma resultar em gol do Atlético Assisense...

... mas, a bola acertou a barreira.

No final do jogo o senhor Cássio Zancopé conseguiu desagradar até aos jogadores do visitante Fernandópolis.

Reza a boa educação...

... que apesar de tudo, deve-se cumprimentar a quem erra.

Mais de 300 pessoas pagaram ingressos e ajudaram o Atlético Assisense a bancar os custos da organização do jogo. É a cidade reconhecendo, cada vez mais, que um clube precisa, sim, do apoio que sai do bolso de cada um. É dessa premissa que sai a postura do blogueiro, que nos 28 anos de jornalismo pagou ingresso em TODOS os jogos que compareceu, mesmo trabalhando. Cada um faz sua parte, e o Atlético Assisense faz os jogos que nos levam ao estádio para, domingo sim, domingo não, preencher com alegria e clima harmonioso, nossas manhãs dominicais.

Nenhum comentário :