Jovem Pan Online - RSS

domingo, 19 de julho de 2015

ANÁLISE - Rodada de empates do G-4 ressuscita o América no Grupo 1

Cláudio Messias*

A décima quarta rodada da Segundona 2015 trouxe uma sequência interessante de resultados. Três confrontos envolveram diretamente os cinco clubes que, hoje, brigam por uma das quatro vagas do Grupo 1 na Segunda Fase. Três empates e, com isso, nenhuma alteração na briga individual das seis equipes rumo ao acesso à Série A-3.

Um clube, porém, comemorou sobremaneira os empates de quem está na parte de cima da tabela. O América tem campanha apenas intermediária, mas conseguiu reduzir para apenas três pontos a distância em relação aos dois clubes que acumulam a quarta colocação. Nessa perspectiva, o empate (1x1) com o eliminado Bandeirante, sexta-feira, custou caro ao Vocem.

Além de não ter vencido o pior time da chave, o Vocem somou apenas um ponto e continuou fora do G-4, uma vez que o Fernandópolis também trouxe placar igualitário do jogo disputado nesse domingo em Assis, contra o Atlético Assisense. Perigosamente, o América está a apenas 3 pontos do Vocem, contra quem joga na manhã do próximo domingo. Confronto direto que pode representar distanciamento do sonho do acesso a quem sair perdedor.

A vitória do América, nesse domingo, foi sobre o Osvaldo Cruz, igualmente eliminado. Os 5x0 do placar colocam o time de Rio Preto na mesma sexta colocação em que começou a rodada, só que com o fator gols marcados, que é critério de desempate, bem superior ao do Vocem. América com 24 gols marcados, Vocem com 19. São cinco gols de saldo, que pode ser aumentado em eventual vitória domingo que vem em Assis e, assim, colocá-lo na quinta colocação, colado no G-4.

Essa derrota do Osvaldo Cruz ceifou definitivamente as esperanças de classificação para a Segunda Fase. O Azulão tem 12 pontos e, faltando 4 jogos, poderia chegar somente aos 24 pontos, com o agravante de perder, nessa segunda-feira, no TJD, pelo menos 3 pontos por ter atuado com jogador sob inscrição irregular nesse returno da Primeira Fase. Há perspectiva de que o Azulão perca mais pontos em praticamente todas as atuações do returno, o que ainda carece de avaliação do Tribunal de Justiça Desportiva e não alteraria a configuração da tabela de classificação.

Quem ainda respira e pode fazer planos para a Segunda Fase é o Tanabi. A vitória, nesse domingo, sobre o José Bonifácio, na casa do adversário, o coloca na mesma sétima posição, quatro pontos atrás do América e 7 pontos em desvantagem em relação a Fernandópolis e Vocem. Para classificar-se, o Tanabi precisaria vencer todos os 4 jogos que tem pela frente, o que o colocaria com 28 pontos e dependendo de tropeços de seus adversários diretos. Os confrontos que ainda restam são: Fernandópolis, em casa; Atlético Assisense, em Assis; Bandeirante, em Tanabi; e Noroeste, em Bauru.

Cálculos - Essa sequência de três empates dos primeiros cinco colocados do Grupo 1 fez ser revista a conta que leva à Segunda Fase. Se até semana passada eram necessários, no mínimo, 10 pontos, de 15 possíveis, para selar o passaporte da classificação, agora, quem somar 7 pontos de 12 possíveis estará na próxima e decisiva fase. A única exceção fica com o Vocem, que precisa somar 8 pontos e, assim, continuar sonhando com a vaga.

Para o Vocem a necessidade de somar 8 pontos deve-se ao fato de haver, hoje, empate com o Fernandópolis, quesito que o coloca em desvantagem, na quinta colocação. E as duas equipes faze o confronto de encerramento da Primeira Fase, dia 16 de agosto, no estádio Tonicão. Ou seja, caso cheguem à última rodada empatados, é grande a possibilidade de o Fernandópolis vir a Assis precisando de um empate para avançar, o que eliminaria o adversário.

Vocem, portanto, precisando de duas vitórias e ao menos dois empates nas quatro rodadas que ainda restam. O time de Assis não pode pensar em derrota, a começar pelo jogo do domingo que vem, em casa, contra o América. Depois, vai a Presidente Prudente enfrentar o Grêmio Prudente, precisando não repetir o resultado do primeiro turno, ocasião em que foi derrotado por 2x0. E, na semana seguinte, outra difícil batalha, no Tonicão, no derby contra o Atlético Assisense. Ou seja, em um simples panorama acerca das quatro rodadas restantes parece haver mais fatores a favor do que contra, pois o Vocem fará três jogos em Assis e somente um fora, contra o Grêmio. Mas, serão todos jogos contra equipes em briga direta pelo G-4. Ideal, pois, vencer o América, encarar com naturalidade empates com Grêmio Prudente e Asisense, respectivamente líder e vice-líder, e jogar toda a sorte do ano contra o Fernandópolis, reconhecendo que, como pôde ser visto nesse domingo, no empate (1x1) com o Assisense, que o visitante da última rodada é especialista em retranca para segurar resultado.

Para o Atlético Assisense a vida não é nada fácil nessa reta final. A começar pelo confronto da rodada do próximo final de semana, em Prudente, contra o mesmo Grêmio Prudente que venceu o jogo no primeiro turno, em Assis, por 2x0. Depois, jogo difícil em Tanabi contra um time que, apesar de visivelmente sem fôlego, vem sendo osso duro de roer nesse returno, como pôde ser visto no empate que, em Assis, derrubou Sérgio Caetano do comando do Vocem uma semana atrás. Na sequência, derby com o Vocem e, enfim, encerramento em Rio Preto, frente à incógnita chamada América. Ideal, pois, somar 8 pontos com vitórias sobre Tanabi e América e empates com Grêmio e Vocem. Qualquer coisa abaixo disso coloca em xeque o projeto da Segunda Fase e favorece quem está abaixo na tábua de classificação.

O Noroeste tem um futuro menos árduo. Semana que vem vai a Birigui para fazer saldo de gols sobre o Bandeirante. Na sequência, mais uma oportunidade de dilatar o saldo, recebendo, em Bauru, o José Bonifácio. Depois, a baba do ovo fica completa com a visita ao Osvaldo Cruz. Por fim, fechamento da Primeira Fase em Bauru, recebendo o Tanabi. Deve, portanto, fazer ao menos 10 pontos e fechar o returno na briga pela liderança da chave com o Grêmio Prudente.

E é o Grêmio Prudente que o blogueiro analisa por último. O time prudentino viu a vantagem que tinha em relação a Atlético Assisense e Noroeste ser mantida em 4 pontos, mas terá confrontos imprevisíveis daqui por diante. Receberá o Atlético Assisense, em casa, sábado que vem. Depois, outro confronto com time de Assis, dessa vez o Vocem, também no Prudentão. Na sequência, visita a José Bonifácio para fazer saldo de gols. E, encerrando, mais uma oportunidade de dilatar o saldo de gols ao receber o Osvaldo Cruz. Enquanto o Noroeste tende a somar no mínimo 10 pontos, o Grêmio Prudente pode contabilizar 8 pontos diminuindo em imagéticos dois pontos a diferença para o rival de Bauru.

A tendência, daqui por diante, é de um desfecho de Primeira Fase passível de previsão. Daqui a uma semana o bogueiro começa, pois, a fazer o planejamento de composição dos dois grupos que formarão a Segunda Fase. Pouca coisa tem mudado nos demais grupos (2 e 3) da Segundona 2015, conforme poderá se visto na postagem de amanhã, segunda-feira, relacionada à Classificação Geral organizada pelo Blog. Fica, desde já, cristalizada uma disputa dividida em duas vertentes no Grupo 1. A primeira mostra Grêmio Prudente e Noroeste brigando pela liderança da chave. A outra aponta um Atlético Assisense firme no propósito de ficar com a terceira colocação e um embate direto entre Fernandópolis e Vocem pela quarta e última vaga.

Porém, se futebol é tido, no dito popular, como caixinha de surpresas, na Segundona Brava, o fundo do poço do futebol paulista, esse enunciado é potencializado em dobro. Nessa divisão os clubes brigam, além da bola, por salários em dia, interferências externas em cidades que mais se assemelham a províncias coloniais e, o que é pior, um Regulamento que precisa melhorar muito para ser entendido como péssimo.



* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

Nenhum comentário :