Jovem Pan Online - RSS

segunda-feira, 6 de julho de 2015

EU, DA ESCUTA - A rodada com sabor de chocolate alemão


CAOS
A imprensa esportiva que cobre a Segunda Divisão compartilhou, via mídias sociais, a informação instantânea de que o Osvaldo Cruz estava, domingo pela manhã, com somente 12 jogadores listados para o confronto com o Tanabi. Sim, poderia ser pior. E foi. Na realidade, a súmula do jogo mostra somente 11 atletas relacionados para o confronto, vencido pelos mandantes por 4x0.

CAOS II
A situação do Osvaldo Cruz pode ser agravada por uma suspeita relatada pelo árbitro Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral. Ele destacou que o técnico Alexandre Narbal de Souza se responsabilizou pela participação dos atletas listados como sendo restritos da equipe visitante. Ou seja, há suspeição de que mesmo entre os 11 atletas relacionados possa haver algum com problema de registro junto à Federação Paulista de Futebol.

HARMONIA
Afora esses problemas gerados pelo Regulamento da Federação Paulista de Futebol para o Campeonato Paulista de 2015, limitando número de atletas inscritos, o jogo Tanabi 4x0 Osvaldo Cruz teve ao menos dados estatísticos positivos. A bola rolou durante 66 minutos, a melhor média da Segundona até aqui. E as agremiações cometeram somente 15 faltas, 9 delas cometidas pelo Tanabi. Ou seja, mesmo sem receber salários e viajando em condições fora do desejável, o Osvaldo Cruz jogou limpo dentro de campo, cometendo somente 6 faltas.

FACILIDADE
A equipe de esportes da rádio Sinal 2 FM, de José Bonifácio, definiu com bom humor a facilidade com que Diego Manfio fez o segundo gol do Atlético Assisense, subindo livre para finalizar contra o gol do time da casa em pleno Pereirão. "Esse até Beth Faria", observou o narrador, complementado pelo repórter de campo: "Reginaldo também faria", em alusão ao casal de atores da TV, homônimo, apenas, no sobrenome.

CORTÊS
O técnico Carlos Alberto Seixas foi paparicado pela imprensa esportiva de José Bonifácio. Quando entrevistado após o jogo, foi questionado sobre eventual preferência por um dos grandes clubes de Minas Gerais. Na conclusão mediante leitura indireta das circunstâncias, Seixas teria recaída pelo Galo mineiro, clube por onde transitou entre a consagração como jogador, no Palmeiras, e o início da trajetória de gestor de futebol profissional. Foi consenso, na rádio Sinal 2 FM, que Carlos Alberto Seixas é, nessa temporada de 2015, o técnico com melhor leitura tática dos confrontos contra o José Bonifácio.

TOALHA AO CHÃO
Amigos do jornalismo esportivo da região de Prudente informam que o Osvaldo Cruz realmente abdicou da meta de brigar por uma vaga na Segunda Fase. Crise financeira e, principalmente, dificuldade de enquadramento no regulamento que fixa número de 28 jogadores para a disputa do certame. Torneios como a Segundona, no entender dos dirigentes, exigem naturalmente a rotatividade de jogadores, especialmente entre os mais jovens.

EM REDE
As imagens que mostraram, em tempo 'quase' instantâneo, os gols do Atlético Assisense, postadas cá, no Blog, bateram recorde de compartilhamentos nessa manhã de domingo. Mais de 200 internautas replicaram as postagens, especialmente a que deu números finais de 7x2 à goleada. em José Bonifácio. Ao todo, número superior a 500 socializações das 7 imagens que marcaram os 7 tentos registrados.

SORTE
O goleiro Paulo Victor, do Flamengo, está sendo considerado talismã do Atlético Assisense, clube que o revelou, em 2004, para o futebol profissional. Recuperando-se de séria contusão, sofrida durante treino na Gávea, ele passou por Assis, reviu amigos e, desde então, o Falcão do Vale só que sobe de produção. Menino do bem, Paulo Victor puxou ao pai em humildade e apaziguador, fugindo de problemas e polêmicas e valorizando a base que o revelou. Seu pai é Vidotti, que em 2004 foi diretor de futebol do Falcão do Vale naquela que é reconhecida como a melhor campanha da história do clube, quase garantindo vaga na Série A-3.

VOO ALTO
O jornalista Edgar Alencar já está em Toronto, no Canadá, para a cobertura dos Jogos Pan Americanos pelos canais Sportv. Edgar atuou como repórter pela antiga TV Modelo (hoje TV Tem), afiliada da Rede Globo, em Marília, dez anos atrás. Ficou em Assis por quase um ano, seguindo, posteriormente, para os canais Sportv, pelos quais cobriu a Fórmula 1 e passou dois anos como correspondente na China.

ETERNO RETORNO
A diretoria do Atlético Assisense teve uma pendência financeira junto à Federação Paulista de Futebol tornada pública no dia 30 de junho, ou seja, terça-feira da semana passada. Em ata do Tribunal de Justiça Desportiva ficou comunicada a suspensão da agremiação assisense caso, em cinco dias a partir da notificação, não fosse quitada dívida de R$ 2.254,36, referente a taxa de arbitragem de jogo realizado dia 27 de junho, no estádio Tonicão, válido pelo torneio das categorias sub-15 e sub-17. Igual punição recai sobre Osvaldo Cruz e Velo Clube, de Rio Claro.

PODER DA FÉ
A Rede Vida de Televisão continua mandando na Segundona. No próximo sábado, o Fernandópolis entrará em campo um dia depois do que havia programado oficialmente a tabela do campeonato. Enfrentará, pois, o José Bonifácio logo após a missa, ou seja, às 19 horas. Jogo no estádio Cláudio Rodante, em Fernandópolis, dando sequência à décima terceira rodada para o Grupo 1. Antes, às 16 horas, o Grêmio Prudente já terá enfrentado o Bandeirante, no Prudentão, enquanto às 15h30 o Noroeste terá recebido o agora perigoso América, que vem de vitória sobre o líder Grêmio Prudente e está na cola do G-4.

MÃOS TROCADAS
O técnico Fábio da Cunha, do União Suzano, também conhecido na Federação como ECUS, tem adotado a estranha estratégia de queimar uma substituição tirando, durante o jogo, o goleiro Bruno e colocando em seu lugar um jogador de linha. Na derrota para o Diadema, sábado, no estádio Francisco Marques Figueira, em Suzano, Bruno deu lugar ao zagueiro Lucas. O jogo estava 2x0 para o visitante Diadema e terminou 3x1. Ou seja, o problema não é o goleiro.

PÉS TROCADOS
Fábio Cunha parece não ter muita habilidade na escalação dos atletas que tem à disposição. No sábado, antes da derrota para o Diadema, o treinador do União Suzano entregou a lista de jogadores ao árbitro Antônio Ferreira de Oliveira Júnior em formulário preenchido à mão, alegando problemas no equipamento que, supõe-se, seja ou o computador ou a impressora, ou os dois juntos. Depois de entregue a relação, o treinador se deu conta de que não havia camisa número 16 para o jogo. Assim, o jogador Deghliê foi relacionado com a camisa 15, justamente aquele que entrou no lugar do goleiro Bruno, no intervalo.

MENOS É MAIS
O Guarulhos relacionou apenas três reservas para o jogo contra o Mauaense, sábado, no estádio Pedro Benedetti, em Mauá. E mesmo assim, com dois jogadores de linha e um goleiro reservas, venceu o Mauaense por 1x0. O técnico Marcel Roberto Agea Sá fez as duas substituições de linha que podia. E deu certo, pois a última mexida aconteceu aos 41 minutos finais. E um minuto antes o Guarulhos teve o jogador Kauê expulso, por ter utilizado da poética vulgar de construção de enunciado, qual seja, " foi falta, car*lho, put* que pariu".

 MAIS É MENOS 
O Barcelona Esportivo perdeu para o Palmeirinha por 1x0, em casa, e listou apenas 3 jogadores para o banco de reservas no estádio Nicolas Alayon, em São Paulo. Fez somente uma delas, ainda assim aos 38 minutos finais.

LIBRAS
Tem clube que se complica por detalhes absurdamente tolos, desnecessários. Nesse jogo em Mauá o Guarulhos ganhou por 1x0, terminou com um jogador a menos e sequer de opção de banco de reservas completa dispunha. Superada, pois, a evidente crise e somando três preciosos pontos, o visitante ainda teve um membro da comissão técnica que foi parar na súmula da arbitragem. Tudo porque o cidadão invadiu o campo, foi em direção a Marcel Rogério Agea Sá e verbalizou, pela boca: "continua apitando esse futebolzinho aí". A ironia, segundo o árbitro, foi completada com gestos com as mãos, indicando sinal de roubo. Ora, se o árbitro apitou um futebolzinho, quem jogou o futebolzinho foram os jogadores ou a arbitragem? Quanto à insinuação de roubo, aí o rapaz identificado como preparador de goleiros terá de explicar-se no TJD.

VITRINE
O jogo Manthiqueira 3x1 Portuguesa Santista, sábado à noite, teve 65 minutos de jogo prático. E 26 faltas no total, sendo 14 delas cometidas pelo mandante. A coisa só não ficou mais bonita, por completo, porque o jogo teve de ser parado por 13 minutos, devido à ausência da ambulância, que teve de deixar o estádio Dario Rodrigues Leite, em Guaratinguetá, logo aos 11 minutos, para atendimento de jogador Guilherme, da Lusinha, levado ao hospital.

BOLA FORA
A Rede Vida de Televisão mostrou ao Brasil inteiro que o Taboão da Serra não tem bola suficiente para colocar em jogo que disputa na Segundona. Ao menos de acordo com o árbitro Alessandro Darcie, que registrou em súmula a disponibilidade de apenas 6 bolas para o confronto Taboão 3x1 Suzano, disputado sábado à noite. Para justificar o injustificável, um dirigente do clube visitante ainda invadiu o campo, após o jogo, foi à equipe de arbitragem e comentou: "a gente já sabe o que está acontecendo aqui. Vou ligar para o Coronel Marinho para avisar que as bolas sumiram e da pressão que está fazendo aqui". Quem conhece Coronel Marinho diz que, na prática, o tal dirigente não dever ligado pra falar nada, não.

INVASOR
O Taboão é mais um clube que deve pagar, no TJD, pelo desequilíbrio de sua torcida. Aos 30 minutos de jogo, sábado, na vitória sobre o Suzano, um torcedor pulou o alambrado, entrou onde não deveria entrar, mas não chegou a invadir o gramado. Foi contido e retirado por policiais, mas a circunstância não fugiu da súmula. Detalhe: àquela altura, o Taboão já vencia o jogo por 2x1. Difícil, pois, entender essas atitudes irracionais por parte de torcedores que em vez de ir ao estádio para apoiar o time, acabam prejudicando.

SHOW DE BOLA
Apesar das 9 paralisações para comemorações dos gols de José Bonifácio 2x7 Atlético Assisense, esse confronto bateu recorde de bola rolando na temporada. Foram 66 minutos e 19 segundos. Tempo favorecido pela escassez de faltas, pois foram cometidas somente 19 infrações, dez delas por jogadores do Falcão do Vale, atual vice-líder do Grupo 1.

VIXE...
Estranha a listagem de jogadores feita pela comissão técnica do Osvaldo Cruz na derrota por 4x0 para o Tanabi, domingo pela manhã. Dos 11 atletas com que poderia contar, somente dois tiveram status apontado por Alexandre Narbal de Souza. São considerados profissionais. Os demais, via de regra, seriam amadores. Mas, essa condição não consta na súmula registrada pelo árbitro Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral.

NA FAIXA
As precárias condições do estádio Teixeirão, em São José do Rio Preto, chegaram à súmula de arbitragem. De acordo com o árbitro Maurício Antônio Fioretti, o gramado encontrava-se em péssimas condições para o confronto América 2x1 Grêmio Prudente, domingo pela manhã. Pior, quando solicitado que a marcação das linhas do gramado fosse refeita, devido ao degaste, chegou a informação de que no estádio não havia tinta ou cal. Alguma dúvida sobre o porquê de o blogueiro definir a Segunda Divisão como o fundo do poço do futebol paulista?

MAL ANFITRIÃO
O árbitro Edirlei dos Santos também levou o estádio Pedro Marin Berbel, em Birigui, à súmula. Segundo ele, na derrota do Bandeirante para o Fernandópolis, com a sonora goleada de 6x0, domingo, os vestiários encontravam-se em péssimas condições de higiene. Sequer chaves para trancar a porta havia.

AQUECEU, MAS NÃO ENTROU
Considerado um dos melhores jogos da rodada, o empate Inter de Bebedouro 1x1 Olímpia foi movimentado. Nove cartões amarelos aplicados, seis deles para o visitante Olímpia. A única expulsão envolveu jogador que preparava-se para entrar. Felipe, do Olímpia, recebeu cartão vermelho direto do árbitro Marcelo Prieto Alfieri, que registrou em súmula a 'delicadeza' advinda do atleta: "Vai tomar no c*, juiz do c*ralho, você é cego". Digamos que o insulto foi registrado em braile e, agora, está no TJD.

DERROTA GERAL
O Olímpia não perdeu somente dois pontos no empate em Bebedouro. Além de ver o São Carlos assumir a liderança no Grupo 2, ainda perdeu a cabeça ao afrontar a arbitragem. Primeiro, foi o técnico Marco Antonio da Silva, expulso aos 39 minutos iniciais, por reclamar insistentemente das marcações. Logo depois, no intervalo, foi a vez do presidente do Olímpia, Antonio Delomodame, invadir o campo e ir em direção à arbitragem, dizendo: "seu babaca, toma vergonha nessa cara, seu babaca, vocês estão de sacanagem". Saiu, forçado, acompanhado pelo policiamento.

ACERTO DE CONTAS
Os jogos de volta, no returno, continuam produzindo reencontros via de regra nada amistosos entre jogadores. No jogo São Carlos 2x1 Elosport, o jogador Rodrigo, do time visitante, foi expulso aos 44 minutos finais, por dizer a William, do São Carlos: "vai tomar no seu c*, seu filho da put*, eu vou te arrebentar no final do jogo, você lembra o que aconteceu no jogo de lá, né?!". Cartão vermelho direto. Direto para a súmula do árbitro 

 NOTA   10 
Para o coletivo completo do Atlético Assisense, que aplicou a maior goleada da própria história e, mesmo com dificuldades publicamente conhecidas, chega à vice-liderança do Grupo 1.

 NOTA   ZERO 
Para o Regulamento do Campeonato Paulista, de novo.

Nenhum comentário :