Jovem Pan Online - RSS

quinta-feira, 30 de julho de 2015

ARBITRAGEM - Contador e metalúrgico na arbitragem de Atlético Assisense x Tanabi

Cláudio Messias*

Que o trabalho dignifica o homem o capitalismo, com seus lemas, ratifica. Tal enunciado, cuja autoria é atribuída a autores diversos, na história, incide perfeitamente na expectativa de produção do trio que nesse domingo, às 10h00, atua no decisivo jogo Atlético Assisense x Tanabi, no estádio Tonicão, fechando a décima sexta rodada da Segundona 2015. Dignidade, pois, da arbitragem escalada pela Federação Paulista de Futebol. E cá vem um contador, um metalúrgico e um professor de educação física.

O torcedor do Falcão do Vale ainda tem engasgado o empate (1x1) de duas semanas atrás ante ao Fernandópolis, que teve interferência direta do árbitro Cássio Zancopé que, conforme resgatado pelo Blog, já havia aprontado das suas cá, no estádio da Fonte dos Amores, denominado por Carlinhos Perandré, naquele fatídico Assisense 1x2 Cotia, em 2013. Basta, pois, a arbitragem escalada ter dignidade, honrar os princípios que nortearam sua formação, e dentro de campo os times de Assis e Tanabi tendem a fazer suas partes.

A preocupação do blogueiro com a arbitragem tem um por quê. É que o visitante desse domingo é o Tanabi Quebra-canela, uma agremiação que tem batido, e muito, em seus adversários. Até a rodada do final de semana passado havia cometido 287 faltas e sido advertido com a aplicação de 50 cartões amarelos, recorde absoluto nessa temporada da Segundona. E se fez isso nas 16 primeiras rodadas, tende a agravar esse perfil de pancadas nesse domingo, uma vez que caso empate só terá chances remotamente matemáticas de classificar faltando duas rodadas para o encerramento da Primeira Fase. Afora isso, a rivalidade Assis x Tanabi, que remete a mais de três décadas.

A atribuição por controlar o ritmo de Atlético Assisense x Tanabi é do senhor Edson Reis Pavani Júnior, que é contador por profissão. Ele vem a Assis para ser auxiliado pelo metalúrgico Ademílson Lopes da Silva Filho, árbitro assistente 2, e Fabrício Porfírio de Moura, assistente 1, além de Jeferson Silvestrini, professor de educação física e quarto árbitro.

Edson Júnior tem 39 anos e é formado árbitro desde 2000. Em interação com outros blogueiros que igualmente dedicam espaço ao futebol profissional vem a informação de que o árbitro escalado para esse domingo tem perfil de consentimento a ações mais violentas por parte de jogadores. Por exemplo, ele atuou, em 2012, no jogo Corinthians 1x1 Bragantino, dia 5 de fevereiro, no Pacaembu. Sua atuação foi assim definida pelo blogueiro Sylvio Micelli: "No final, com uma arbitragem ruim e com a violência do adversário, o Corinthians empatou e conseguiu manter sua invencibilidade na competição. Claro que os anticorinthianos nada falarão sobre isso porque a eles, nossos prejuízos não interessam." (http://blog.sylviomicelli.jor.br/tag/edson-reis-pavani-junior/). Entende, agora, raro e exceto leitor, a razão da preocupação do blogueiro?

No currículo de Edson Júnior há, em 2015, somente 10 escalas. A mais recente delas foi justamente pela Segundona, dia 24 de julho, no jogo São Bernardo 2x1 ECUS. São três escalas na Segundona, duas na Série A-3, duas na Série A-2, nenhuma na A-1, uma no torneio Sub-20 e duas na Copinha São Paulo. Em 2014 e 2013, igualmente baixo o número de escalas: 19 e 21, respectivamente. Destaque, maior, como quarto árbitro na final da Copinha São Paulo do ano passado, que teve Corinthians 1x2 Santos, no Pacaembu.

Fabrício Porfírio de Moura traz a Assis um currículo que tem representatividade positiva. Foi, por exemplo, assistente 1, dia 20 de junho, no empate América 0x0 Tanabi. Ou seja, é sabedor do perfil batedor do Tanabi, uma vez que naquela ocasião, no estádio Teixeirão, o time cometeu 16 das 27 faltas do jogo e foi advertido com 4 dos 6 cartões amarelos do jogo. No início do ano Fabrício foi escalado para 10 jogos da Série A-1, dois da Série A-2 e quatro da Série A-3. Esteve, também, em jogos pelas Série B e C do Brasileirão.

Ademílson Lopes da Silva Filho cumpre a décima oitava escala do ano. Pela Segundona atuou em Olé Brasil 1x2 Elosport, dia 19 de abril, no estádio Palma Travassos, em Ribeirão Preto. Afora isso, duas escalas na Série A-2 e três na Série A-3. Os demais compromissos foram cumpridos nos torneios sub-20, 15, 13 e 11. Em 2013, esteve no jogo Grêmio Prudente 3x1 Atlético Assisense, realizado dia 3 de maio, no estádio Prudentão.

A palestra nos vestiários do Tonicão, nesse domingo, pode perfeitamente ser comandada pelo quarto árbitro Jeferson Silvestrini. Ele esteve, nessa mesma condição, no jogo do primeiro turno, vencido pelo Atlético Assisense (1x0) naquele 31 de maio, no estádio Alberto Victolo, em Tanabi.



* Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

Nenhum comentário :