Jovem Pan Online - RSS

sábado, 23 de maio de 2015

PERSONAGENS - Campinense 2x0 Auto Esporte



Cheguei ao estádio Amigão e, por coincidência, Betão, meu taxista,
equivocou e deixou-me no portão... de acesso às cabines de imprensa. Coração safenado quis subir e 'trabalhar' por lá, mas a razão de torcedor levou o blogueiro
ao setor de cadeiras cativas. Logo no acesso, claro, a olhada básica para
os amigos de imprensa esportiva

Uma hora antes do jogo e as organizadas da Raposa já
haviam demarcado território

O estádio Amigão também é inacabado, faltando preencher o
setor de arquibancadas atrás dos dois gols e, assim, fechar o anel que,
segundo raposeiros mais empolgados, teria capacidade para
45 mil pessoas. Será? 

O clima em Campina Grande é muito interessante, o ano todo: durante o dia,
calor que pode chegar aos 35 graus à sombra, e à noite, com a brisa vem
vem o mar e passa pela Serra da Borborema, termômetros marcando no
mesmo dia 18 graus

Pouco interagi com os jornalistas esportivos, dada a separação-isolamento
do setor das cadeiras numeradas. Mas, à distância, essa interação para
conferência das escalações de Campinense e Auto Esporte mostra
o quão unida, e sem estrelismos pseudos, é a classe jornalística daqui 

Não consegui totalizar o número de grupos organizados de torcedores da
Raposa, mas contei ao menos 8, todos uniformizados e a maioria
com bandeirões, que tanto brilho dão ao espetáculo

O estádio Amigão tem cobertura no setor das cativas, mas cultura
local é cultura local, nem que seja noite e não esteja chovendo

O Campinense adota estratégias interessantes para cativar os torcedores
desde pequenos. O resultado é um impressionante número de garotos e garotas,
adolescentes, no estádio Amigão. Esse grupo da foto esperava na boca do túnel para
entrar com o time em campo

Meia hora para começar o jogo e nada da torcida do Auto Esporte...

... apenas dois solitários torcedores visitantes se faziam presentes.

A tradicional rodada-de-bobo para aquecimento

Além dos bandeirões, faixas para demarcação do espaço

Escalações conferidas, hora de informar a composição das
duas equipes, ao vivo

Enquanto o jogo não começa, olhar para o campo para quê?

O setor da Geral foi, aos poucos, lotando


Reza a lenda local que o estádio Amigão é resultado de uma confusa decisão
do governo da Paraíba de usar um mesmo projeto para a construção
de dois estádios, sendo um aqui em Campina Grande, outro na capital, João 
Pessoa. Mesmo projeto só que, também, a mesma verba. Resultado, claro: dois 
estádios inacabados.

Impressionante como todos que vão ao estádio vestem a camisa
do time de coração. E com um detalhe: a maior parte veste
camisas originais vendidas na loja do Campinense

Uma geração leva a outra ao estádio, e ambas uniformizadas

Se o tamanho não ajuda, a grade auxilia

A elegância feminina...

... faz do jornalismo esportivo algo mais interessante.

Esse garotinho parecia blogueiro: fez inúmeras fotos
 e jogo que é bom, de assistir, nada! 

Um olho no peixe, outro na Raposa 

Ao menos no setor das cadeiras não houve
comercialização de bebidas alcoólicas


Garotada uniformizada e preparada para acompanhar
os jogadores na entrada ao campo

Era véspera do Dia do Abraço. E existe abraço
mais protetor que o de um pai? 

Chega a hora de o Campinense entrar e as organizadas se agitam

A essa hora o setor das gerais já está quase lotado

Esse setor das organizadas não parou de cantar um minuto...


 Pronto, a Raposa sai do túnel e entra em campo...

A retribuição do apoio dos jogadores veio em forma de um aceno coletivo
bem rente ao setor das arquibancadas

Queima de fogos...

... e pose para as fotos bem junto à Geral 

A essa altura, minutos antes do início do jogo, o estádio
Amigão já estava cheio, mas não lotado 

A polícia militar utilizou de todos os recursos para garantir
a segurança do jogo

Bola rolando e o Campinense atacando a retranca do Auto Esporte

Convenhamos, placa de madeira é coisa ultrapassada

Pais, filhos, tios, sobrinhos, av:ôs e netos... famílias no estádio

Radinho de pilha é para os fracos... 

 Papai e mamãe levaram o filho para ver o jogo, mas...

E se radinho de pilha é para os fracos, o que dizer de um
rádio com 9 faixas?

A essa altura era consenso que o técnico da Raposa precisava
mexer no ataque

Nas arquibancadas a crítica da torcida recaía sobre o
principal armador do time

Muito interessante esse trabalho em grupo entre os jornalistas
que cobriam ao jogo

A retranca do Auto Esporte funcionou somente até os 20 minutos
do segundo tempo

Ao lado das cativas o outro setor das gerais, composto por 
quem não fazia questão de ver o jogo de longe

Já quem queria ver o jogo de mais perto sobrou a grade de separação
dos setores da arquibancada

Com as mídias sociais, registro a todo momento do jogo

Com o gol que quebrou a retranca do Auto Esporte a eminência
do segundo era tamanha que o vendedor de salgadinhos
assumiu a condição de torcedor e sentou para ver o jogo

Um gol marcado, pressão total sobre o adversário e pausa
para tomar água

Concentração total no olhar feminino para o jogo que deu
liderança isolada e 4 pontos de vantagem ao Campinense 

Equipe do Corpo de Bombeiros pronta para atendimento
a casos mais graves

O setor ao fundo, atrás do gol, tem as estruturas prontas
para receber as arquibancadas. Promessa de conclusão veio com a Copa
e a possibilidade de uma das seleções com sede em Recife
treinar em Campina Grande. Dinheiro acabou, verba do governo
federal não veio, muito menos a seleção que aqui treinaria

Olhar atento do comentarista da 98FM

Quase impossível invadir o campo do Amigão: fosso de 4 metros ...

... e a polícia para barrar os invasores.




Nenhum comentário :