Jovem Pan Online - RSS

domingo, 10 de maio de 2015

Atlético Assisense tropeça em casa e reabilita Osvaldo Cruz

Cláudio Messias*

Os pouco mais de 200 torcedores (não foi feito a divulgação de público e renda, ao menos enquanto a bola rolou) que compareceram ao estádio Tonicão nessa manhã chuviscosa de domingo viram um Atlético Assisense que não rendeu como nas duas ocasiões anteriores em que foi mandante na Primeira Fase da Segundona 2015 do Campeonato Paulista. Mérito, claro, do visitante Osvaldo Cruz, que não cometeu as mesmas falhas das três primeiras rodadas e soube, com marcação forte no meio campo, anular o setor de criação do Falcão do Vale.

Nos 90 minutos de bola rolando o Atlético Assisense foi melhor em campo. Sofreu o gol aos 12 minutos, como ocorrera no domingo anterior frente ao José Bonifácio. Foi com esse placar para os vestiários e retornou, na etapa complementar, com a característica tática do técnico Carlos Alberto Seixas: mesmo sem alterações de jogadores, abriu as laterais e avançou a marcação, sufocando o Osvaldo Cruz em seu campo. Nas estatísticas gerais, o Falcão do Vale concluiu a gol 14 vezes, ante 7 do Osvaldo Cruz. E foi numa dessas 7 conclusões que, em penalidade contestável, o visitante fez o placar definitivo do jogo, 2x0, aos 41 minutos finais.

Raramente coloco culpa em arbitragem por resultados de jogo, uma vez que há 22 competências duelando pela bola. Hoje o senhor Danilo da Silva prejudicou o Atlético Assisense duas vezes,e em situações exclusivas de sua visão de lances distintos. Primeiro, expulsou, logo a 5 minutos, o lateral direito Matheus, do Falcão do Vale. O lance aconteceu na minha frente e não passou de uma trombada entre o jogador Rodolfo, do Osvaldo Cruz, e o lateral do Assisense, que iria cobrar o arremesso. Segundo o árbitro, o jogador do Assisense deu uma cotovelada na nuca o adversário, mesmo estando de costas para o mesmo e, inclusive, tendo, ele, recebido o tranco involuntário pelas costas.

O segundo lance comprometedor aconteceu aos 38 minutos, ocasião em que o ataque do Osvaldo Cruz foi parado na bola, mas Danilo Silva viu falta de Thiago em Lucas Dias, dentro da área. O curioso é que menos de 5 minutos antes o ataque do Atlético Assisense foi parado, em lance igual, pela defesa adversária, sem nenhuma marcação por parte da arbitragem. Lances que, isolados, pouco mudariam o resultado final do jogo e não encobrem a insuficiência do Falcão do Vale em converter em gols as inúmeras oportunidades que teve

Enfim, o Atlético Assisense sofre sua primeira derrota na temporada, mas não fica distante dos demais clubes que estão no G-4 que avançam para a Segunda Fase. É terceiro colocado e espera, agora, o confronto com o Fernandópolis, domingo que vem, às 10 horas, no estádio Alberto Victolo, para buscar a reabilitação. Fefecê que vem de derrota, nesse domingo, para o José Bonifácio (2x1).


                    FICHA TÉCNICA                     
Atlético Assisense 0x2 Osvaldo Cruz
Local: Estádio Tonicão, 10MAI2015, 10h00
Público: Não divulgado
Renda: Não divulgado
Árbitro: Danilo da Silva
Auxiliar 1: Décio Casagrande Portiéri
Auxiliar 2: Marcos Sehnem
Quarto árbitro: Paulo Santiago de Medeiros

Atlético Assisense - Augusto; Matheus, Thiago, Pedro Henrique (Everton) e Weslen; Pedro Victor, Elivelton, Adriano (Geovani) e Diego Iatecola; Aguiar e Leonardo (Luis Mauro). Técnico: Carlos Alberto Seixas.

Osvaldo Cruz - Felipe; Adinan (Rodolfo), Diego, Luan e Glauton; Alex, Washington Silva (Lucas), Rafael (Alex) e Macsoel; Leones e James. Técnico: Gilmar Tadeu da Silva.

Gols: Rafael, aos 11 minutos iniciais, e Lucas Dias (pênalti), aos 39 minutos finais, para o Osvaldo Cruz.


                        ESTATÍSTICAS do BLOG                      

FALTAS
Atlético Assisense: 19
Osvaldo Cruz: 13
Total: 32

ESCANTEIOS
Atlético Assisense: 11
Osvaldo Cruz: 8

IMPEDIMENTOS
Atlético Assisense: 5
Osvaldo Cruz: 4

CHUTES A GOL
Atlético Assisense: 11
Osvaldo Cruz: 2

CABECEIOS A GOL
Atlético Assisense: 3
Osvaldo Cruz: 5





                      IMAGENS DO JOGO                       





O blogueiro chegou em cima da hora no estádio,
perdeu a execução dos hinos, mas conseguiu 
registrar a imagem características desse guerreiro
time do Atlético Assisense: união acima de tudo

O Atlético Assisense tem pecado na distração nos 15 primeiros
minutos de jogo. Foi assim que Rafael abriu o marcador,
aos 12 minutos iniciais

Até recolocar a cabeça no lugar o Falcão do Vale levou quase
10 minutos, acertando o travessão do gol do Osvaldo Cruz
aos 20 minutos iniciais

O lance que resultou na expulsão do lateral direito
Matheus, aos 5 minutos da etapa complementar...

... foi confuso, com o árbitro Danilo Silva dando
a entender que viu o jogador do Atlético Assisense
dando uma cotovelada na nuca do adversário...

...mesmo estando de costas para o atingido e em posição
impossível de atingir as costas, muito menos a cabeça. E mesmo
sem o jogador do Osvaldo Cruz ter caído ou demonstrado dor...

... a expulsão foi mantida e o atleta do Assisense,
mesmo sob protestos e xingamentos de parte da
torcida, teve controle emocional para sair de campo,
visivelmente contrariado. Minutos depois, foi aplaudido
pela outra parte da torcida, testemunha de que o
jogador não agrediu ao adversário. 

No segundo gol do Osvaldo Cruz, goleiro Augusto
de um lado, bola no outro

O Osvaldo Cruz reabilitou-se em Assis, vindo de derrota em casa
na rodada anterior


Com tempo chuvoso o público que compareceu
ao inacabado estádio Tonicão ficou reduzido, se
comparado aos jogos anteriores do Falcão
do Vale.



Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECa-USP.

2 comentários :

Amarildo José Ramos disse...

E nós estavamos lá acompanhando..e torcendo como sempre pelo sucesso do bom futebol da nossa região...

Blog do Messias disse...

Grande Amarildo, parceiro 'velho' de jogos na época de ouro da nossa Paraguaçuense. Felicidade extrema reencontrá-lo aqui em Assis, compactuando da mesma paixão pelo futebol. Nas próximas horas postarei a foto que fiz de você e seus amigos da nossa querida Paraguaçu. Um abraço!