Jovem Pan Online - RSS

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA - 21/JAN



GOSTO AMARGO
Em menos de um mês desde a inauguração em Assis a franquia da rede Mc Donald's conseguiu destacar-se nas redes sociais. Negativamente, pois a loja local virou hit de postagens, com clientes insatisfeitos. Demora entre o atendimento e a chegada do pedido e a constante falta de produtos do cardápio irritam, e muito, principalmente a quem atravessa a cidade para ir àquele ponto.

GOSTO AMARGO II
Como ressaltei cá, no Blog, em postagem anterior, não tenho preferência alguma pelos lanches da franquia Mc Donald's. O único produto que atende minha preferência é o milk shake, da linha McShake, em especial o de sabor chocolate. E, depois de esperar esfriar a frenética busca da cidade pela nova loja da rede, resolvi, na semana passada, ir com os filhos para refrescar o calor com McShake.

GOSTO AMARGO III
Da Santa Cecília até os altos da Rui Barbosa cruzamos a cidade, aproveitando para completar a agenda com compromissos relacionados aos documentos pessoais dos filhos. Chegamos, enfrentamos fila e quando pedimos, eis a notícia: a máquina de sorvete está quebrada. Em meio a ironia, perguntei se a máquina da loja nova era velha e a moça, simpática, que nos atendeu, disse que sabia dizer, apenas, que fazia alguns dias que o problema havia aparecido.

GOSTO AMARGO IV
Depois que postei esse lamentável episódio nas redes sociais alguns amigos comentaram sobre suas igualmente nada agradáveis experiências no Mc Donald's de Assis. Em alguns casos, sequer fritas havia para acompanhar os lanches que tradicionalmente, na história da franquia, têm na identidade essa derivação de batata como acompanhamento.

GOSTO AMARGO V
O resultado disso tudo, óbvio, é a volta ao normal no movimento de lancheiros famosos da cidade, como o imbatível Flipper, que nas últimas semanas de dezembro visivelmente tiveram queda de movimento. Hoje, seja qual for o dia da semana, esses pontos tradicionais já estão novamente com a clientela cativa. No meu caso, ao sair da primeira ida p- frustrada - ao Mc Donald's, experimentei, por indicação dos filhos, o milk shake de Chiquinho Sorvetes, que também é franquia. Preciso dizer que não mais cruzarei a cidade atrás do milk shake de minha preferência?

SEM CARREFOUR
Não avançou a negociação que propunha a instalação do centro de distribuição da rede Carrefour em Assis, mais precisamente nas instalações do antigo Marajó. Licença ambiental como encalço, a abortagem do projeto por parte de empreendedores da cidade permitiu que uma outra proposta ressurgisse para aquele espaço: a reabertura de um amplo restaurante, com ênfase em churrasco, ou seja, almoços e jantares permanentes.

COM GRAAL
O projeto de revitalização do Marajó ganhou adeptos de peso. Uma das bandeiras interessadas no empreendimento é a Graal, cuja condição é o estabelecimento de revisão completa no sistema de acesso viário para o local, pela SP-270. Hoje, aquela alça de trevo é usada tanto por veículos que transitam pela rodovia quanto por moradores de Assis, gerando, muitas vezes, conflito de tráfego em pleno pátio do empreendimento.

TONICÃO
Os investimentos feitos pela Prefeitura no estádio Tonicão não garantem que Assis terá representante na Segunda Divisão do Campeonato Paulista de 2014. O Clube Atlético Assisense carece de apoio comercial mais amplo da cidade para que confirme a repetição do projeto de 2013 nessa nova temporada. Investimento maior, pois, será sinônimo de uma comissão técnica melhor e, por consequência, um time mais forte. A diretoria do clube não quer entrar no torneio apenas para participar. A ordem das prioridades é: vaga na A-3 de 2015 e disputa do título da Segundona.

PRIMEIRO PASSO
O conselho técnico que definirá tabela e clubes participantes da Segundona acontece nessa quarta-feira, dia 22, em São Paulo. É certo que o Assisense será inscrito, como tem ocorrido há mais de 10 anos. O presidente que responde pelo clube na Federação Paulista de Futebol continua sendo Carlos Antunes, o Boi. A tendência é que o grupo de empresários apoiadores permaneça o mesmo do ano passado.

SEGUNDO PASSO
Inaugurado na semana passada, o novo espaço da academia de musculação do Assis Tênis Clube recebeu parte dos equipamentos que, novos, foram adquiridos no final do ano passado. Quem foi à nova academia aprovou o investimento, recorde na história do clube.

ANTES TARDE
O horário da hidroginástica masculina do ATC foi alterado em 2014. Começa 10 minutos antes, pontualmente às 19h00. E termina igualmente 10 minutos antes, às 19h50. A medida começou nessa semana, já na aula da ótima instrutora Samira. E continuará nos demais 4 dias úteis da semana, com o igualmente ótimo instrutor Paulo.

DISPARIDADE
Fiz, dias atrás, reserva de hotel em Braga, Portugal, onde, em abril, participo do II Congresso Mundial de Comunicação Ibero-americana, o Confibercom, enviado pelo Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação da ECA/USP, onde faço o doutorado. Paguei, pela diária, R$ 123  em hotel da rede Ibis. Em hotel da mesma rede mas em Dourados, em Mato Grosso do Sul, paguei R$ 125 no ano passado, quando participei de concurso na Universidade Federal da Grande Dourados, no mês de setembro.

ESPELHO, ESPELHO MEU
O médico Fabiano Morelli postou, nas redes sociais, crítica ao Big Brother Brasil, que teria exibido cenas em que duas participantes trocam beijos. Interessante essa saída da condição de mediador para a posição de audiência, pois temos visto coisas muito piores em canais locais da Cabonnet, igualmente dignas de espanto, só que pela péssima qualidade de produção. Aliás, o próprio foi destacado no programa CQC, da Band, em 2013, em situações talvez ainda mais impróprias, ao lado de Paulo Maluf.

OURO LÍQUIDO
Quem reclama de pagar quase R$ 3 pelo litro da gasolina em Assis deve olhar um pouco ao redor, em cidades além da divisa, por exemplo, com o Paraná. Nesse final de semana paguei R$ 3,14 em Barbosa Ferraz/PR, em posto da Rede Ipiranga.

SEM CONTROLE
Aliás, retornando de Barbosa Ferraz/PR, sentido Rolândia>Porecatu>Taciba>Regente Feijó>Martinópolis>Assis (saí de Barbosa, deixei meu pai em Martinópolis e retornei a Assis), estranhei o controle de velocidade praticado nos estados do Paraná e de São Paulo. Lá, do lado paranaense, na vicinal Rolândia>Porecatu, praticamente sem acostamento, a velocidade máxima tolerada é de 110 km/hora. Passada a ponte sobre o Rio Paranapanema, a velocidade máxima cai para 100 km/hora. Aqui, a velocidade de 110km/hora é tolerada somente na Raposo Tavares, ainda assim em trechos duplicados. Arriscado demais correr a 110km/hora em rodovia vicinal sem acostamento e com pesado tráfego de caminhões e tratores.

REVERSÃO
O mercado de cerveja também iniciou 2014 um tanto confuso. No Wallmart, na semana entre o Natal e o Ano Novo, a lata da Antártica Subzero estava 1 centavo mais cara do que a Brahma, igualmente envazada pela Ambev. Tradicionalmente, a Subzero sempre foi a mais barata das cervejas da hegemônica empresa brasileira e caiu no gosto do brasileiro por ser mais leve (duplamente filtrada, segundo a Ambev) e ter teor alcoólico mais baixo.

REVERSÃO II
Em Barbosa Ferraz/PR, no final de semana passado, 'aprendi' uma lição com um funcionário do supermercado Coimbra, o mais tradicional da pequena cidade da região de Campo Mourão. A Kaiser, que deixou de ser propriedade da Coca-Cola e passou a ser da Heineken, é tão saborosa e leve quanto a Subzero, que lá também está 15 centavos mais cara que as demais, dado o elevado consumo nesse verão. Levei Kaiser e aprovei na degustação com o 'primo' Roberval, chefe de oficina da Suprema em Assis e que também fez a viagem.

REVERSÃO III
Nessa segunda-feira, 20, em uma passada rápida no Avenida Max, encontrei a Subzero a R$ 1,65 a lata. A Kaiser saía por incrível R$ 1,45, ou seja, 4 centavos mais barata, acredite, do que a Malta, que estava a R$ 1,49.

NOTA
Gostei da participação de Ricardo Pinheiro na entrevista ao vivo no Tem Notícias 1ª edição dessa segunda, 20. O prefeito de Assis soube responder a todas as perguntas (o importante é não deixar de responder ao que é perguntado) e mostrou bom domínio do discurso. Digo isso porque entendo que deve-se reconhecer que entrevistas ao vivo demandam nervosismo e, consequentemente, o esgotamento da saliva e o indesejável e inevitável gaguejar. Minha avaliação: 8.

NADA CONTRA...
Perguntaram-me o que tenho contra a rádio e a TV Fema. Respondi que, obviamente, nada tenho contra as emissoras universitárias. Apenas não concordo com o amadorismo com que rádio e TV estão sendo tocadas desde 2013. Pode ser coincidência, mas isso remete ao período em que a instituição ficou sem a formação de turmas de jornalistas. Funcionários, colaboradores  e profissionais dignos do meu respeito, mas algumas figuras que surgiram, na Fema, depois da posse de Ricardo Pinheiro que, pasmem, representam um passado que remete à era Romeu Bolfarini.

... MAS, TAMBÉM, NADA A FAVOR
Nenhum tipo de perseguição pessoal a Ulisses Guariba, mas alguém precisava falar para o gestor que ele pode, sim, exercer seu cargo executivo numa boa, sem problemas. Desde que fique longe das câmeras e dos microfones. Não tem o mínimo preparo para ficar à frente de uma câmera e atrás de um microfone. Não sabe falar, não tem empostação de voz, ignora o que seja postura perante a uma câmera e torna ridículo o papel da Fema enquanto instituição formadora de profissionais da comunicação. É como uma faculdade de Odontologia que coloca para dar cursos e palestras um prático, que nunca foi preparado para falar da área mas arranca dentes que é uma beleza!

QUALIDADE TOTAL I
Depois do sucesso de Feijó Bar Premium agora Assis ganha mais um bar de igual padrão, que remete ao circuito paulistano de restaurantes, bares e cantinas. Estação da Vila Botequim inaugura nessa quarta-feira, nas antigas instalações do igualmente badalado Restaurante do Tom, no centro. Boa comida, atendimento treinado e preparado de forma específica, literalmente caseira, pela nova gestora e som de qualidade. No comando, um experiente e conhecido gerente, consagrado por ter feito o sucesso de pontos do circuito de bares noturnos da Rui Barbosa.

QUALIDADE TOTAL II
O Estação da Vila deveria ter aberto as portas, experimentalmente, na semana passada. A burocracia que rege a abertura de novas empresas no estado de São Paulo, contudo, fez com que a nova casa adiasse a inauguração geral para essa quarta-feira. Que a cidade reconheça mais esse empreendimento estritamente local, fruto do investimento de uma ex-bancária nascida, criada e reconhecida na terrinha que carinhosamente chamo de Sucupira do Vale.

POPULAR
Fui desafiado a degustar aquele que é considerado o aperitivo mais badalado de Assis nos últimos meses. Codorna, frita ou assada, na feira do produtor da Aprumar, às sextas-feiras à noite. Lá estarei sexta que vem, juntamente com meus amigos Jura, da oficina, e Bareta, do hotel Alvorada.

POPULAR II
Por falar em Jura, durante a viagem que fiz a Barbosa Ferra/PR, no final de semana passado, em conversa às margens do rio Corumbataí, lá chamado de Corimba, entre uma cerveja e outra surge assunto relacionado a um assisense que volta e meia leva amigos às margens daquele rio. O nome do pescador que é mais famoso pelas comidas que prepara: Jura, quem tem uma oficina em Assis. Rodado esse meu amigo!

SUSTO
A chuva da noite de quarta-feira passada provocou pânico entre alguns sócios do Tênis Clube que aguardavam no saguão de entrada. Além de carros alagados pela enxurrada, um sócio teve ferimentos leves ao ser levado pela correnteza, segurando-se nos veículos estacionados. Socorrido, ficou sem as chaves do veículo e alguns documentos, e esfolado pelo asfalto.

O RETORNO
As aulas, na Unesp, reiniciaram nessa segunda, sem muito alarde. Não é o início do ano letivo de 2014, mas, sim, a retomada do segundo semestre de 2013, prejudicado pela greve de discentes. Não raro, o que se vê na cidade são os alunos que resistiram à paralisação, no ano passado, e agora interrompem o que seriam férias de janeiro para continuar o trajeto da formação. Greve e paralisação são palavras que dificilmente passarão pela pauta desses que levam o calendário a sério, ao longo de 2014.

FOME ZERO
Um estudante da Unesp foi preso ao ser flagrado furtando alimentos no Avenida Max. Se não tinha dinheiro para comprar comida, menos ainda para bancar a fiança que condicionava sua resposta ao inquérito em liberdade. Foi levado à cadeia pública de Lutécia e, então, sua detenção mobilizou a diretoria do campus local da universidade, em esforços para libertá-lo.

CALORAÇO
O CPTEC/INPE adverte para aquela que pode ser a pior onda de calor da história da região. Dessa terça até sábado os termômetros podem marcar 37 graus em Assis, com sensação térmica superior aos 42 graus, devido à baixa umidade relativa do ar. Há previsão, apenas, de chuva passageira no sábado e na próxima terça, 28, podendo estender uma estiagem de 15 dias, cruel para as lavouras de soja, já prejudicadas pelos 42 dias de ausência de chuvas normais entre a segunda quinzena de novembro e o Ano Novo.


CÁ ENTRE NÓS...
... as tais obras do PAC, do PT, realmente resolveram os problemas de alagamentos nos arredores do Ônix Hotel?


IMAGEM DA SEMANA


PLANEJADO? - Na reforma de nossa casa a esposa fez detalhadamente o planejamento de sua (digo nossa, pois dividimos os afazeres, digamos, domésticos) cozinha. Orçamentos em mãos, a relação custo/benefício considerou a suposta qualidade e, assim, fechamos encomenda da cozinha planejada que não figurava como a mais barata das que vimos. Escolhemos a Sandrin, de Assis. Móveis instalados, nossas porcelanas foram guardadas da forma com que o local que as acolheu foi pensado, ou seja, planejado. Literalmente, era a execução do sonho. Final de semana passado saímos todos em viagem a Barbosa Ferraz, no Paraná. No domingo à noite, em retorno, o espanto. Uma das prateleiras que leva o selo de 'qualidade' da Sandrin cedeu. E parte das porcelanas que compramos em viagens que fazemos ao Sul, passando pela região de Ponta Grossa/PR, estava toda quebrada, espalhada pelo chão. Felizmente não tinha ninguém em casa, pois aparentemente as lascas foram lançadas com violência e poderiam ter machucado principalmente perna e pé de quem por perto estivesse. Acionada, a franquia da Sandrin enviou funcionário, que fez o reparo na tal da prateleira e ajustou algumas portas que com menos de 2 anos de uso já haviam saído do prumo, indo embora se sequer fazer menção ao prejuízo material e de memória provocado pelo móvel de qualidade questionável que sua empresa revende.. Os quilos e mais quilos de cacos de porcelana que representava uma parte de nossa história, desde o casamento, foram despejados em um ecoponto da cidade. Como lição, um aprendizado importantíssimo: pagar mais caro não significa, definitivamente, ter a melhor mercadoria. Cá, em casa, Sandrin nunca mais.

Nenhum comentário :