Jovem Pan Online - RSS

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Atlético Assisense programa pré-temporada da Segundona



Cláudio Messias*

O Clube Atlético Assisense prepara-se para apresentar mais um projeto para a disputa de sua 13ª temporada consecutiva e ininterrupta no futebol profissional de São Paulo. O Falcão do Vale, que em 2013 fez sua segunda melhor campanha na história (a melhor foi capitaneada em 2004 pelo ex-presidente Roberto Amorielli, o Mé), não fala em títulos nem anuncia campanha milagrosa. O lema, segundo Carlos Antunes Boi, presidente, é desenvolver um trabalho profissional, honesto, ético e transparente. Se o acesso à Série A-3 vier, será consequência desses quatro fatores.

Carlos Antunes não pronunciou-se oficial nem publicamente desde que um grupo capitaneado pelo ex-PM Edson Fiúza migrou repentinamente para o projeto de reativação do Vocem, levando consigo parte dos patrocinadores que ajudaram a bancar o projeto de 2013. Em diálogo que mantivemos informalmente nessa sexta-feira, 14, Boi garantiu preferir o silêncio, sua principal característica enquanto gestor do Assisense nesses últimos 8 anos. O atual presidente entende que quem tem, mesmo, de dar declarações e justificativas é justamente a equipe de desertores, como tem ocorrido.

É fato que o Atlético Assisense não ficará sem apoio empresarial em 2014. Carlos Antunes Boi apresentará comissão técnica, jogadores e o novo batalhão de empresas que, com os pés no chão, optaram por acreditar no palpável, e não no fictício. De acordo com o presidente, o anúncio oficial ocorrerá na semana que vem, com a certeza de que haverá surpresas. Boi ressalta que continua com condições de montar um time competitivo, à altura da tradição de Assis, e que o projeto não objetiva somente o calendário futebolístico de 2014.

Nas redes sociais, Boi tem contado com o apoio da torcida, que reconhece o trabalho que articulou em 2013. Há, também, manifestações de solidariedade de jogadores que, revelados pelo trabalho nas categorias de base pelo presidente do clube, lamentam a forma como da noite para o dia o Falcão do Vale ficou sem uma parte de seus apoiadores. São situações e circunstâncias que não chegam ao conhecimento público mas que nessas últimas semanas têm transformado em vergonhoso inferno os bastidores do futebol profissional da cidade.

De minha parte deixei claro, desde janeiro, minha aposta na continuidade do trabalho do Clube Atlético Assisense. Admiro e continuo sendo torcedor do Vocem, porém não concordo com a forma como essa marca do Esquadrão da Fé foi oportunamente apropriada. Acho que já deixei isso bem claro aqui, nesse espaço. 

Sou conhecedor do trabalho de Carlos Antunes Boi desde que este assumiu a presidência do Falcão do Vale. E fui um dos poucos torcedores que nesses anos todos foi ao Tonicão para ver, via de regra, o time da cidade desemprenhar campanhas medianas, em meio a dificuldades que eram do conhecimento de todos. Não digo que Boi seja santo, pois santo nesse universo do futebol profissional não existe ninguém. Só que sou amigo de Boi muito antes da existência do Assisense enquanto clube e se tem uma coisa de que não duvido é de sua honestidade. Daí o motivo para, ao menos em 2014, eu apostar no trabalho do Falcão do Vale. Defendo, portanto, a continuidade do que foi começado.

A única coisa que eu espero é que depois de iniciados os trabalhos de preparação para a disputa da Segundona os dois lados se entendam. Da forma como gestores de Vocem e Assisense estão se odiando, cada qual com seu motivo alegado mas nunca revelado publicamente, não vai demorar muito para que as torcidas dos dois times comecem a rivalizar. 

Mantida a média do ano passado o Falcão do Vale tende a continuar com pelo menos mil torcedores pagando ingressos para vê-lo jogar, números que tendem a aumentar com o avanço do clube nas fases de disputa do torneio da Segundona. E duas mil pessoas com ânimos acirrados, que começam pelo discurso de quem deveria calar e apenas trabalhar, podem gerar situações que mais afastam do que atraem as inúmeras famílias que costumam ir nas manhãs de domingos ao Tonicão.

Ou seja, nesse momento de discurso pela paz nos estádios, é preciso que os dirigentes façam mais e falem menos. Até porque, de tudo que ouvi até agora sobre esse desastroso desentendimento de bastidores, nenhum argumento convenceu-me para mudar minha opinião sobre o que ocorreu, o que está ocorrendo e o que lamentavelmente tende a ocorrer futuramente.


*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.

2 comentários :

Anônimo disse...

Por que vc não comenta sobre a falta de alimentos e passagens para jogadores poderem retornar pra casa a alguns anos anteriores ??? Saia do muro e assuma uma posição... è fácil ficar tirando fotos no estádio para se aparecer e não falar a verdade !!!!! P.S Vou torcer p/ os dois times se darem bem ....

Anônimo disse...

Messias meu amigo procure saber as noticias antes de julgar os empresarios que foram pro vocem por favor meu querido! A culpa nao e fo Boi dos empresarios sairem do assisense e sim de outra pessoa ligada ao clube!! Gosto muito do boi e um cara legal pra caramba mais tem gente em volta dele que nao vale nada! Torça pras duas equipes, e que vença e avance a melhor!! So busque as informaçoes!! Antes de sentar a lenha! Busque essa informaçao e vc vai ver! Nao sou jornalista nem estou na diretoria nem nada de nenhuma das equipes, so tenho algumas infoaçoes privilegiadas! Pesquise isso e depois publique aqui no seu blog, pq sei q vc e uma otima pessoa , e um otimo jornalista que deveria merecer uma homenagem aqui em assis por esses anos de serviço prestado pra todo mundo que gosta de informaçao com credibilidade! Sou um grande fã seu!! BUSQUE ESSA INFORMAÇAO PRA VC VER COMO ESSA HOSTORIA VAI FEDER RSRS! Infelizmente tem muita gente que ajuda o futebol e tem umas que so atrapalha! O Boi merece uma estatua do lado do cristo de lata da rui barbosa , pq o q esse homem ja fez pelo esporte de assis nao e brincadeira!!