Jovem Pan Online - RSS

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA - 11/FEV



APELO
A Sabesp seguiu o exemplo do DAE, de Ourinhos, e fez comunicado público para que a população economize água. Se a autarquia municipal do vizinho publicou comunicado na cara TV Tem, afiliada da Globo, a Sabesp/Assis foi mais modesta: recorreu ao bom, velho e eficiente sistema de som volante, nas ruas, para chegar à totalidade das casas da cidade.

ÁGUA PAGA
Dos 300 galões/dia que costuma vender no primeiro trimestre de cada ano, meu amigo Zé Roberto, da H²O  Distribuidora, atingiu o pico de 460 unidades na terça-feira, 4. Segundo ele, a demanda de consumo foi proporcionalmente maior em residências e estabelecimentos comerciais. E com o detalhe de que a média de novos clientes praticamente é a mesma de anos anteriores. Ou seja, está todo mundo atenuando o calor recorrendo ao correto consumo de água.

MUDO
Os telespectadores do Jornal Nacional apenas viram, como na época do cinema mudo, as imagens do noticiário da noite de segunda-feira, em Assis. No canal 8 a Rede Globo estava sem som pela operadora Cabonnet. Como o canal TV Escola pertence á própria Globo e está um canal abaixo, ou seja, no 7, na Cabonnet, era possível ver e ouvir o telejornal.

CORREÇÃO
Na postagem anterior da coluna eu denominei Cantina da Vila Botequim como a mais nova casa a fazer sucesso na noite gastronômica de Assis. Mero equívoco. Estação da Vila Botequim é o nome correto do espaço que tem recebido semanalmente talentos locais como André Luiz do Carmo, uma das vozes mais requisitadas pelo circuito de bares e restaurantes frequentados por um público que aprecia boa música.

IMBATÍVEL
Mantive a tradição literalmente caseira, ou seja, cá de casa, mesmo, também conhecida como barraco dos Lopes & Messias, de comemorar aniversário comendo filé. E, não adianta, a decisão foi unânime: Cantina do Alemão. Lá estivemos no sábado e, na comparação com outros estabelecimentos que servem o mesmo prato na cidade, fica até injusto tecer comentários. Entra ano, sai ano e o filé com legumes dos herdeiros do lendário Alemão mantém-se como o melhor da cidade. Na mesma noite reencontrei o engenheiro aposentado da CESP e hoje vice-prefeito de Cândido Mota, Antônio Carlos Bonini de Paiva.

DESRESPEITO
Continuam existindo manias de alguns estabelecimentos comerciais que são exclusividade de Assis. Você chega ao ponto comercial, apresenta sua necessidade, o funcionário diz que pode antedê-lo e informa que o serviço é feito em "meia hora". Como meia hora encaixa-se na sua necessidade, você cede, autoriza o serviço e... cai do cavalo.

DESRESPEITO II
Na segunda-feira passei por isso na Auto Elétrica São Paulo. Com problema na chave de seta do automóvel passei pelo relatado acima. Do prazo de meia hora para execução do serviço fiquei uma hora e meia assistindo a um telefona pra cá, telefona pra lá, manda o motoboy ali, manda o motoboy ali, até que a tal da peça chegou. Já havia passado de duas horas de espera quando, ao tentar montar a peça, o funcionário me diz que o modelo não batia. Carro desmontado, remontado e eu retornando para casa com o mesmo problema, sem solução, pois a única garantia que a empresa me dava é que a peça, com certeza, lá estaria no dia seguinte.

DESRESPEITO III
Respeito meu amigo Cláudio Bandini, que, sei, não teve culpa no processo todo e, inclusive, estressou-se com a vagarosidade com que o caso de meu carro teve desfecho. Mas, em Assis, há uma mania muito feia de mentir ou omitir prazo de serviço ao cliente. Se pode resolver o caso em meia hora, que se resolva em 30 minutos. Porém, para não perder o serviço, mente-se. Nesse caso, não ganharam nem o serviço, nem o cliente, pois naquele estabelecimento não mando mais carro algum. Pura e simplesmente porque perdi a confiança no atendimento. E olha que sou cliente daquela auto-elétrica há mais de 25 anos.

TRANSPARÊNCIA
Enquanto as diretorias de Vocem e Assisense acusam-se, sem provas, de falta de clareza na prestação de contas referente a 2013, clubes sérios, que há anos desenvolvem trabalho ininterrupto e sem dissidência, ou seja, privilegiam a representatividade da cidade e a conciliam à paixão pelo futebol, em detrimento do lucro, dão mostras de solidez e prosperidade. Exemplo disso é o Fernandópolis Futebol Clube, que no sábado fez postagem, nas redes sociais (Clique aqui), com balancete das contas referentes a janeiro. Fechou no vermelho, com saldo negativo de R$ 2.258,05.

SOLIDEZ
Aliás, o Fefecê dá mostras de extremo profissionalismo e a recompensa vem em forma de credibilidade junto a apoiadores. Nessa semana, o clube anunciou a Penalty como fornecedora de materiais esportivos para a temporada 2014. A apresentação de jogadores e comissão técnica foi feita às 16h00 dessa terça-feira, 11. Os trabalhos começam amanhã pela manhã, no estádio Cláudio Rodante.

LIGEIRO
Kairo, que defendeu a camisa do Assisense em 2013, é uma das contratações do Grêmio Prudente para a Segundona 2014. O meia direita ,foi pouco e mal explorado, na minha opinião, no ano passado. E tende a fazer sucesso em terras prudentinas.

DA TERRA
O assisense Rafael Tomilheiro vai passar mais uma temporada no futebol da Tailândia. Ele atua no Khon Kaen, que fica no nordeste daquele  país asiático. Rafael atuou no Clube Atlético Assisense.

JUNTO, MAS NÃO MISTURADO
Ficou para o segundo semestre do ano o investimento do Assis Tênis Clube para a reforma do setor de sauna. Com o projeto, homens e mulheres terão sauna à disposição nos 7 dias da semana. Uma sauna masculina, outra feminina, separadamente. Hoje, as mulheres só dispõem das terças e quintas-feiras para usufruir do setor, hegemonicamente dominado pelos homens.

FORMALIDADES DO AMOR
Minha amiga Ana Maria Oliveira, professora no Departamento de Literatura da Unesp/Assis, formalizou união com Carmem Almeida, na semana passada. O casal compartilha espaço em comum no apartamento que fica de frente para o mar, em Santos. E saiu em viagem de lua-de-mel pela América Latina, a começar pelo norte do Chile.

RENOVAÇÃO
Reencontrei meu amigo Nelson Cilo nessa segunda, 10, enquanto mantínhamos nossos automóveis em manutenção na Auto Elétrica São Paulo. Trabalhei com Nelson no Oeste Notícias, no triênio 1996/1997, a partir de quando nunca mais nos vimos. Assisense, Nelson Cilo trabalhou em todos os grandes jornais da denominada 'grande imprensa' paulista e cobriu 4 Copas do Mundo. Cobriu tanto o Corinthians na década de 1980 que teve como padrinho de casamento o lendário Vicente Matheus, presidente, então, do clube de Parque São Jorge. Aposentado há dois anos, Nelson retornou a Assis, com passagem pela Coopermota e, hoje, a editoria executiva de Voz da Terra.

RENOVAÇÃO II
Nelson Cilo relata alguns dos desafios que tem encontrado no exercício da função de jornalista em Assis, a começar pelo ambiente de trabalho. O que ele relata eu conheço bem, pois em 2003, retornando de Marília, também tive o mesmo convite de assumir o desafio em Voz da Terra e esbarrei nas mesmas pedras pelo caminho. Como por lá já tinha passado no triênio 1997/1999, optei, à época, não retornar à rota de colisão com aqueles que se diziam mais donos do jornal do que os próprios donos. Que Deus abençoe, hoje, Nelson Cilo, na jornada de recolocar Voz da Terra na posição que sempre lhe foi honrada. Competência para tal não falta a esse jornalista cuja marca registrada é a ousadia.

TALENTO
Meu amigo Rogério Assis, com quem compartilhei, nos últimos anos, viagens a Presidente Prudente, onde lecionávamos na mesma instituição de ensino superior, e sala dos professores na Escola Léo Pizzato, em Assis, traduziu a peça teatral alemã "O Sósia" (Der Doppelgänger), de Friedrich Dürrenmatt. O espetáculo (Leia a crítica aqui) entrou em cartaz no SESC Café Pequeno, no Rio de Janeiro, com o grupo Tentáculos Espetáculos, sob direção de Guilherme Delegado. Trata-se de uma adaptação para o palco da peça teatral radiofônica de Dürrenmatt, datada da metade do século passado.

REESTRUTURAÇÃO
O ensino privado de Assis teve de passar por reestruturação nesse início de 2014. Colégios particulares como Xereta, Mais e Ipê acomodaram principalmente as turmas de ensino médio de estudantes antes matriculados no Diocesano, que fechou em 2013. No Xereta, por exemplo, o terceirão começa o ano letivo com lotação máxima, dentro da proposta, por exemplo, de colocar o maior número possível de alunos em universidades públicas no final do ano. É da bandeira Anglo, por exemplo, o vestibulando assisense que passou nesse início de 2013 em todos os cursos de Medicina que prestou em universidades públicas como USP, Unesp e Unicamp.

PÓLO UNIVERSITÁRIO
O ano eleitoral de 2014 pode render a Assis dois novos investimentos que consagrariam a cidade como principal pólo universitário do Médio Vale. Na disputa política regional entre PT/aliados e PSDB/aliados, o Centro Paula Souza ganharia status de Fatec, pelo governo do Estado, ao passo que parte do campus da Fema acomodaria o Instituto Federal e seus cursos de tecnologia, pelo governo federal. As duas partes políticas envolvidas garantem que tais decisões saem a partir de junho, quando das convenções que definirão os candidatos da região a deputados estadual e federal. Vale ressaltar que tanto Fatec quanto Instituto Federal formam tecnólogos.

60 MIL
Um ano depois de reativado, o Blog completa, agora, 60 mil acessos. Na média, 164 acessos/dia, considerando que não há postagens diárias. Um canal de diálogo sem vínculo comercial/político algum, mantendo meu perfil editorial, jornalístico, de 29 anos de independência. Sem xiitismo, mas, também, sem babaovismo. Não por acaso não há links patrocinados nesse espaço, de maneira que quando cito empresas por essas linhas ou está em voga o reconhecimento, ou prevalece a transição fato>notícia ou, por fim, há críticas de um blogueiro que antes de jornalista, professor universitário e doutorando, é consumidor. E dos chatos, reconheço. Aliás, entrei duas vezes na fila da chatice, e só não entrei na terceira porque havia esgotado a senha.

CÁ ENTRE NÓS...
... que tal cortar 100 votos de confiança no prefeito para cada árvore que ele irresponsavelmente tem destruído ultimamente na cidade?


FOTO DA SEMANA
Foto: J.R.S./Facebook

TOLERÂNCIA AMBIENTAL ZERO - Estou cada vez mais indignado com o número de árvores que têm sido tombadas por mãos humanas em Assis. A impressão que fica é que o lema do prefeito dos 15 mil votos é: há problema com a vegetação, corte-a. E o mais intrigante é que as ações que tornam a cidade-forno ainda menos verde e, obviamente, mais quente chegam a ser formalmente anunciadas, como no caso do cemitério municipal. Contraditório, também, é o posicionamento da mesma Prefeitura com relação a moradores que, como eu, tiveram, por força maior, de cortar uma árvore, pois somos notificados e cobrados, mediante ameaça de multa, para o replantio mais que imediato para reposição da vegetação urbana. Apenas explicando, cortei, pedindo autorização à Prefeitura, em 2010, uma árvore de pequeno porte que ficou em frente ao portão de minha garagem após reforma feita no imóvel, concluída há um ano. Cortei e já repus, com um ipê branco, mas não sem antes receber duas notificações formais do município, sendo uma delas já na gestão Ricardo Pinheiro. Na semana passada, postagens feitas nas redes sociais denunciaram um Terminal Rodoviário 'depelado' das árvores que o cercavam. O estacionamento, arborizado, ficou aberto, tamanha foi a devassa feita nas plantas. Na base do diz-que-disse a alegação é que a ação vergonhosa de derrubada parcial das árvores tem por objetivo combater a presença de pessoas que vagam pelo terminal e colocam em risco a segurança de comerciantes e passageiros. Se esse realmente é o motivo, que aguardemos as semanas vindouras e a ausência total dos zumbis humanos que pelo local perambulam durante o dia e durante a noite, geralmente em busca de um trocado para alimentar tipos diversos de vícios. Mas, se essa for mesmo a premissa, o que dizer da cidade como um todo, que padece de insegurança total com invasões de residências, furtos e assaltos diários? Irá, o prefeito tucano, limpar as ruas de árvores na tentativa de tornar os marginais  visíveis. ou seria risíveis? Pasmem, senhor prefeito!




  FOTO DA HISTÓRIA  


Foto: Exército Brasileiro

PARANAPANEMA SEM REPRESA - Essa foto foi feita pelo Exército em 1939 e mostra trecho do rio Paranapanema exatamente onde hoje está a ponte que liga os estados de São Paulo e Paraná, em Florínea. Naquela época, a travessia do rio era feita somente via balsa, que tinha de vencer a correnteza desse que continua sendo um dos mais limpos grandes rios paulistas. Na imagem é possível perceber que o Panema tinha pontos mais rasos, com fundo em pedra, condição que aqueles que ainda vivem para contar histórias relatam ter sido propícia para a pesca, por exemplo, de dourados e piaparas. Com a formação da represa da usina de Capivara e, depois de Canoas I e II, o traçado do rio foi alterado, assim como a capacidade de vazão. Nada comparado, contudo, à nefasta ação das mãos do homem, pois pouco ou nada restou da mata vista na foto, tanto do lado paulista quanto do paranaense.


2 comentários :

Anônimo disse...

Messias o embrolio do assisense x vocem e o seguinte, tem um certo diretor do assisense que chegou na mesa de reuniao do assisense e exigiu que partr das vendas dos ingressos ficasse pra ele, acertadamente o pessoal que investia no assisense pulou fora, pq rodiado por pessoas assim e melhor cair fora!

Anônimo disse...

Olá Messias,
Já venho acompanhando seu blog já faz um tempo e hoje resolvi comentar sobre a questão dos novos institutos superiores de Assis, em especial o IFSP. Atualmente eles já oferecem cursos técnicos no campus da Fema (http://www.ifsp.edu.br/index.php/02-assis-nucleo-avancado.html), porém creio que pela falta de divulgação a relação candato/vaga é menos de um para os dois cursos (Administração e Manutenção em Informática), ou seja, é bastante desconhecido pela população local. Mas, aparentemente, conforme essa notícia (http://fema.edu.br/index.php/noticias/529.html) no site da Fema, em quando se discutia sobre a vinda do IFSP para Assis, aparentemente havia a ideia de uma possível federalização do IMESA. É bom lembrar que o IFSP oferece além de Cursos Superiores Tecnológicos, cursos de Bacharelado e Licenciatura (principalmente na área de exatas). Ainda temos de considerar também a lista dos quatro cursos que o campus local da Unesp enviou para aprovação em 2011 para a Reitoria (http://www.paraguacity.com/?id=81-5834) e após isso não se teve nenhum comentário sobre. Espero ter contribuído em algo com o post, agradeço pela atenção e gostaria de parabenizar você pelos comentários e notícias sobre nossa região.