Jovem Pan Online - RSS

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Tabela não favorece o Assisense na segunda fase

Cláudio Messias*

Se a primeira fase não foi fácil para o Clube Atlético Asssisense, dias mais árduos tendem a vir na segunda, que inicia já no domingo que vem. Tabela divulgada às 18h10 dessa segunda-feira, pela Federação Paulista de Futebol, mostra algumas novidades para o Falcão do Vale. Vamos a elas.

A estreia do Assisense na segunda fase será contra o líder do grupo 1 da primeira fase, o Fernandópolis, adversário conhecido pelo torcedor assisense desde a época do extinto Vocem. O jogo acontecerá às 10 horas do próximo domingo, no estádio Tonicão. Até aí, nenhuma novidade.

Pela primeira vez em 2013 o Assisense fará jogo numa quarta-feira. E será na próxima quarta, dia 31, contra o Taboão da Serra. A tabela da Federação programa o jogo para a cidade de Jundiaí, por motivos ainda não formalmente explicados. Entre as razões possíveis está a irregular situação do estádio "Vereador José Ferez", na cidade do mandante, que foi vetado para a realização de jogos desde o início do campeonato da Segundona. Inclusive, o Taboão fez seus últimos jogos da primeira fase no estádio "Dr. Jayme Pinheiro Ulhoa Cintra", onde o Paulista manda seus jogos, em Jundiaí. Em resumo, significa que o Taboão jogará contra o Assisense sem apoio de torcida.

O terceiro jogo do Assisense, fechando o primeiro turno, também será fora de casa. O Falcão do Vale vai a Diadema enfrentar a equipe homônima no estádio municipal do Inamar no sábado, dia 3 de agosto, às 15 horas. Será, portanto, uma sequência desgastante para a equipe, que entrará em campo em Jundiaí na tarde da quarta e estará de volta à região da Grande São Paulo 72 horas depois.

O raro e exceto leitor deve estar percebendo que o Assisense completará o primeiro turno em apenas uma semana de disputas. Isso porque o Diadema já visita o Falcão do Vale no dia 11 de agosto, no Tonicão, às 10 horas, abrindo o returno da segunda fase. E lá vem nova jornada de jogos, com segundo jogo consecutivo em casa na quarta, dia 14 de agosto, contra o Taboão da Serra, às 15 horas. Sim, depois de muitos anos Assis voltará a ter um jogo de futebol profissional em plena quarta-feira.

O Assisense encerra sua participação na segunda fase no domingo subsequente, indo a Fernandópolis. O jogo no estádio municipal "Cláudio Rodante" terá o mesmo horário de toda a última rodada, ou seja, 10 horas da manhã.

Apenas recordando, agora são 24 equipes distribuídas em seis grupos. Os dois primeiros colocados de cada um dos grupos garante vaga automática para a terceira fase. Ainda classificam-se os quatro melhores terceiros colocados, cruzando o desempenho de todo o campeonato. Vale ressaltar que o Assisense é, até agora, um dos clubes com pior campanha entre os 24 que estão em disputa.

Teorizando - Meu retrospecto de jornalista esportivo que há três décadas cobre o futebol profissional regional permite-me fazer algumas suposições quanto ao desempenho do Assisense nessa segunda fase da Segundona. Não vou considerar, aqui, o potencial da atual equipe, cujas limitações critico e já expus aqui, nesse espaço do Blog. Vou ao que defino como teoria da lógica futebolística.

A meu ver, o jogo crucial dessa segunda fase é exatamente o do próximo domingo, às 10 horas, no estádio Tonicão. Vencer o Fernandópolis é romper a lógica a que me refiro, pois estaremos à frente daquela que é uma das melhores equipes do campeonato. Um empate não é todo ruim, pois, mantendo a retórica, estaremos, à base do gerúndio, somando um ponto contra uma das melhores equipes da primeira fase. Uma derrota, além do fator psicológico negativo, será trágica, pois nos lança para dois jogos consecutivos fora de casa tendo saldo negativo de gols e zero ponto na tabela.

Essa segunda fase tem apenas 6 jogos e será decidida, no calendário, em curto espaço de tempo. As equipes estreiam no dia 28 de julho e sabem quem avança e quem fica já no dia 18 de agosto. Três semanas, apenas, de disputas. Um desandar da maionese e não haverá tempo suficiente para corrigir. Logo, importante que eventuais reforços e mudanças no projeto do Assisense ocorram no mais tardar até essa terça-feira, dia 23, pois o relógio é tão adversário quanto Fernandópolis, Taboão e Diadema.

Continuando a teoria da lógica futebolística, também conhecida como elucubração de um torcedor cético, o jogo em Jundiaí, contra o Taboão, na quarta que vem, é favorável ao Assisense. Digo isso porque o adversário não é, de fato, um ótimo mandante. Ou seja, nas 4 vezes em que jogou em seus domínios, na primeira fase, perdeu uma, empatou outra e venceu duas. Cuidado, mesmo, será bom ter quando o Taboão vir a Assis, pois jogando fora de seus domínios o clube adversário venceu duas vezes e empatou outras duas. É, pois, mais visitante ingrato do que necessariamente um mandante de respeito. E, enfim, vencer em Jundiaí é possível ou, pelo menos, passível de sonhar, mesmo sabendo que o Taboão foi líder do grupo 5, empatando em pontos com o Osasco.

O terceiro jogo do returno, em Diadema, requer cuidado. Estamos falando de um Clube Atlético Diadema que mesmo sendo terceiro colocado no grupo 8 somou 17 pontos. Em cinco jogos em casa, o Diadema venceu 3, empatou um e perdeu outro. Um empate no jogo do dia 9 de agosto, portanto, pode ser encarado como bom resultado, pois a rodada seguinte traz o Diadema a Assis, na abertura do returno. E como visitante o adversário é regular, acumulando na primeira fase duas derrotas, duas vitórias e um empate.

Imagino, enfim, que o Assisense entre na luta por uma classificação entre os dois primeiros colocados do grupo 9. Para chegar a isso precisa vencer o Fernandópolis, empatar com o Taboão e com o Diadema e, no returno, vencer, aqui em casa, Diadema e Taboão, o que totaliza 11 pontos. Segurar um empate em Fernandópolis nos leva a 12 pontos, colocando-nos na disputa pela liderança do grupo. Na outra ponta da lógica está uma estreia com empate com o Fernandópolis, vitória sobre o Taboão, empate em Diadema, mantendo a mesma ordem do returno: vitórias sobre Diadema e Taboão e até mesmo derrota para o Fernandópolis, sabendo que a disputa pela liderança estará descartada.

Considerando que somente quatro dos seis terceiros colocados garantem vaga para a terceira fase, acredito que o Assisense sai da briga caso perca dois dos 6 jogos e empate outros dois. Não vejo possibilidade de sonhar com classificação somando menos de 9 pontos nessa nova fase, pois isso implicaria em aproveitamento inferior a 50%. Não bastará, portanto, fazer o dever de casa e vencer os três jogos como mandante. Será preciso, ainda, ao menos empatar um jogo fora do estádio da Fonte dos Amores, o que nos coloca na briga direta entre a segunda colocação do grupo e uma das quatro melhores terceiras colocações.

Todas as atenções, senhores torcedores, ficam lançadas para o jogo do próximo domingo. O Fernandópolis é uma incógnita enquanto visitante. Se empatou duas vezes fora de casa na primeira fase, venceu outras duas. Em quatro jogos, portanto, não perdeu nenhuma jogando fora de seus domínios. Em contrapartida, dos quatro jogos que fez em casa, venceu duas e empatou duas. Está invicto, mas também não conseguiu vencer todos os jogos que fez em casa.

Vencer o Fernandópolis pode significar, domingo que vem, quebrar a invencibilidade do principal adversário do grupo 9. Esses três pontos garantem uma estratégia de pelo menos empatar contra Taboão e Diadema, nas rodadas subsequentes. Isso acontecendo, basta manter a lógica que prevê que quem vence o Fernandópolis bate, sim, Taboão e Diadema aqui em casa. Isso nos leva para a última rodada, em Fernandópolis, já classificados e com o privilégio de jogar por um empate que nos dá a liderança do grupo e nos coloca em condições de disputar uma terceira fase menos sofrida do que foi a primeira fase encerrada ontem, domingo.

Acordando do sonho e pisando em terreno tão firme quanto o péssimo gramado do Tonicão, será pedreira disputar essa segunda fase. Com tantos jogos seguidos e em curto período de tempo se faz necessário ter em mãos uma equipe em condições de promover a rotatividade de jogadores, seja por lesões, seja por suspensões. O histórico do Falcão do Vale na primeira fase nos faz pensar com esse pé atrás, pois visivelmente a comissão técnica careceu de equilíbrio no elenco quando foi necessário improvisar na escalação.

Mantendo minha tradição de não ficar em cima do muro, acredito na classificação do Assisense. Brigar pela liderança, reconheço, é muita coisa. Ficamos em segundo, atrás de Fernandópolis e à frente de Diadema. Taboão, a meu ver, não avança.

E se você, raro e exceto leitor, perguntar por que da minha afirmação, no título, de que a tabela não favorece o Assisense, explico encerrando esse texto. Perder para o Fernandópolis, domingo que vem, não fugirá da normalidade, se comparadas as duas campanhas até aqui. Mas, para o Falcão do Vale haverá um peso quase insuportável nas costas, pois fará dois jogos consecutivos fora de casa, tendo a obrigação de vencer ao menos um e a condição de jamais sonhar com uma derrota nesses compromissos. Portanto, uma derrota domingo e o consequente baixar de cabeça pode fazer o Assisense receber Diadema e Taboão, no returno, praticamente eliminado da competição.

#pracimadelesfalcao





*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre em Ciências da Comunicação pela ECA/USP.


2 comentários :

Anônimo disse...

Dificil falar , acho que ja foi um grande passo passar de fase, conheço bem os bastidores do time, e sei que e complicado pois tem empresario tirando dinheiro do bolso, nao e facil, e um custo altíssimo um time de futebol, acho que falta mais apoio ainda da conti pois dinheiro eles tem e colocam uma miséria no time... e outra tem muito jornalista na cidade que fica cornetando o time e nao sabe o que realmente se passa, nao estou falando de vc messias , e sim babacas do canal 10, muita gente que nao sabe o que falar e ficam metendo o pal, o que nos resta e apoiar o time e torcer pq ele representa a nossa cidade...

Nestário disse...

Olá, Cláudio. Os melhores terceiros serão definidos de acordo apenas com os resultados obtidos na segunda fase. Abraço.