Jovem Pan Online - RSS

domingo, 22 de março de 2015

Primeira frente do ano abre semana, mas depois vem calor, muito calor

Cláudio Messias*

Recebi com estranheza um prognóstico do clima para a próxima quinzena na região de Assis. Que as temperaturas vão cair já nessa segunda-feira, tudo bem, isso já era conhecido desde a semana passada. Mas, o que pode vir depois é, no mínimo, um espanto.

Nesse 23 de março os termômetros abrem a penúltima semana de março, a primeira do outono, marcando 15 graus. Com vento moderado  a sensação térmica bate os 14 graus, na manhã mais fria de 2015. Resultado do avanço do que pode ser considerado a primeira frente fria do ano, uma vez que ventos altos e fortes deslocam-se do Pacífico, vindo a Sudoeste, trazendo o ar gelado de parte dos Andes latinos.

Acontece que essa frente fria fica sobre a região somente por três dias, elevando as temperaturas ao máximo de 28 graus. Depois disso, o predomínio de uma massa de ar seco, característica de estações de transição como o outono, faz a temperatura disparar. Como consequência, sensação de calor de verão em plenas noites de final de março e início de abril.

Meu estranhamento está exatamente nisso. Se o movimento das massas de ar não mudar - isso ocorre com frequência no outono - os últimos dias de março e os primeiros dias de abril podem marcar mínimas de até 25 graus. Calor semelhante ao verificado em janeiro, porém com o agravante de, agora, o ar estar mais seco, aumentando a sensação de sufocamento e afetando principalmente quem é portador de doenças respiratórias.

A chance de esse cenário provisório, programado, mudar, é grande. Dez dias atrás, por exemplo, havia previsão de a frente fria que já está sobre a região desde a tarde desse domingo derrubar os termômetros, nas próximas horas, para a casa dos 12 graus, com sensação térmica de 10. Quase frio de inverno, que felizmente não se confirmou.

Certo, mesmo, é que o calor típico de verão, com altos índices de umidade relativa do ar, ficou para trás. Daqui por diante teremos menos precipitações pluviométricas e um declínio gradativo das temperaturas. Chuvas, mesmo, só na quinta, dia 26, ainda assim com somente 60% de probabilidade e acúmulo somado inferior a 2 milímetros.

*Professor universitário, historiador e jornalista, é mestre e doutorando em Ciências da Comunicação pela ECA-USP.

Nenhum comentário :